Procure no site:

janeiro 25, 2021

A virada neoliberal nas políticas econômicas nórdicas das décadas de 1980 e 1990

A seguir apresentamos alguns destaques da publicação de Lars Mjøset entitulada “Políticas econômicas nórdicas das décadas de 1980 e 1990”. Lars Mjøset foi Pesquisador e diretor de pesquisa do The Institute for Social Research de Oslo (1987-1995), é diretor da Escola de Estudos de Ciências Sociais da Universidade de Oslo, desde 1995 e professor do Departamento de Sociologia e Geografia Humana da Universidade de Oslo, desde 1996.

Tem sido bastante popular entre alguns círculos de esquerda chamar o modelo nórdico de socialista. Para uma discussão abrangente deste absurdo recomendamos esse episódio do Freakeconomics que também traduzimos. Não deixa de ser cômico a conveniência de certos setores da esquerda mais radical em criticar a moderação social-democrata, mas usá-la de exemplo e tentar com ela se confundir quando se faz conveniente.

Contudo, há um uso de boa-fé do exemplo nórdico como algo a ser seguido. Ocorre que o modelo nórdico social-democrata idealizado por certos setores políticos passou por uma profunda revisão há mais de 40 anos. Mesmo esses países tiveram que passar por profundas reformas ditas neoliberais para modernizarem suas economias e obterem maior produtividade e desempenho econômico.

De todo modo, nem tudo são rosas. Há erros e excessos na implementação de diversas das políticas neoliberais e eles são discutidos de modo detalhado no texto, fugindo assim de visões políticas simplistas.

O artigo completo, de 37 páginas, pode ser baixado aqui, em português, ou no original em inglês.

Autor: Lars Mjøset

Tradução: Marcelo Aleixo

Revisão e resumo: Fernando Moreno

1. Notas sobre a Social-Democracia

Dois grupos invocam a noção do declínio da Social-Democracia. Os conservadores, que têm sido minoritários na política nórdica e muito menos influentes do que os social-democratas, frequentemente falam sobre as falhas da social-democracia. Outro grupo que aponta o declínio social-democrata são os esquerdistas (os marginalizados na extrema esquerda), com discurso ambivalente: eles não se incomodariam com o declínio da social-democracia se isso levasse a maior apoio às políticas socialistas genuínas, mas, como isso não é o caso, eles lamentam [o fim] da era de ouro da social-democracia, quando as coisas eram melhores do que agora. No debate internacional, há numerosas vozes de estudiosos simpáticos ao programa de terceira via da Suécia, entre o capitalismo e o socialismo, que tendem a pensar que os partidos trabalhistas nórdicos traíram seu bem sucedido programa de pleno emprego das décadas do pós-guerra.

Social-democratas estão manobrando a cada dia na vida política real. Enfrentando julgamentos como esses eles podem responder, como Miles Davis respondeu quando questionado por um jornalista do porquê não tocava mais como antes. A resposta: “Devo eu tocar como Louis Armstrong, com estas roupas?”. A social-democracia também usa roupas novas, mas é meio difícil determinar se a escolha de roupas foi por opção pessoal, ou uma submissão a alguma moda internacional. Esse tipo de questão tem sido popular em recentes pesquisas de como a social-democracia tem ultimamente gerenciado a economia nos países nórdicos.

Abaixo, nós resumimos as principais políticas econômicas nórdicas observadas nos anos 1980 e 1990. O projeto não foi idealizado para destacar o destino da social-democracia, mas algumas de nossas descobertas têm relevância nesta discussão.

2. O Idealizado Ciclo de Decepção

Em nossos estudos anteriores, nós rastreamos os cinco modelos de políticas econômicas da Era de Ouro (em alguns casos nos anos 60), e estudamos a resposta para a recessão econômica de 1974/5. Nós observamos que as rotinas de política econômica foram mantidas com a expectativa que a situação seria logo normalizada. Como tal normalização não ocorreu, inesperadas consequências das políticas econômicas foram experimentadas e um processo de hesitação começou. Deixe-nos rotular isso como a primeira decepção. Neste paper nós apresentaremos uma estilizada conta de três decepções. Isto implica que este processo tenha iniciado já no final da década de 1970. A decepção indica que um padrão falhou, e a busca por outra solução se intensifica.

O modelo da Era de Ouro levou a problemas, como a crise de alta inflação de meados da década de 1970. Esta primeira experiência de decepção no final da década de 1970 e início dos anos 80 levou para uma convergência à versão nórdica de Neoliberalismo. Neste projeto de acompanhamento, nós estudamos mais dois períodos de decepção. As políticas de competitividade do início dos anos 80 levaram ao superaquecimento de meados e final da década de 1980. Neste período surgiu uma política baseada em normas. Estas são decepções conectadas com a tentativa de políticas baseadas em mercados (neoliberais). Embora duas diferentes versões de Neoliberalismo tenham falhado, as decepções não levaram a qualquer sinal de abatimento contrário às visões neoliberais.

A primeira versão neoliberal do início dos anos 80 pode ser vista como uma variedade nacional. Ela envolveu políticas monetárias restritivas (tentativa de elevar as taxas de juros) e apertar as políticas fiscais (mesmo na recessão do começo dos anos 80). Desvalorizações, no entanto, serviram frequentemente para assegurar um clima econômico expansivo.

Consequências inesperadas, tal como inflação e vários déficits, levaram a um período de Neoliberalismo baseado em normas, enfatizando normas baseadas em políticas de taxas de câmbio (barrando os tomadores de decisão da tentação de políticas de desvalorização da moeda), e reformas para maior eficiência alocativa. A busca por laços mais estreitos com a UE pode ser vista como uma tentativa para consolidar esta abordagem.

Esta busca foi mais encorajada no começo dos anos 1990, quando ficou claro que políticas baseadas em normas não conseguiam evitar o superaquecimento, profundos contratempos econômicos, incluindo maior desemprego, e uma extensa instabilidade financeira. Discutimos então até que ponto uma abordagem neoliberal orientada pela União Europeia acaba emergindo como uma solução «externa» para esses problemas.

3. Primeira decepção — final dos anos 1970 e início dos anos 1980

De acordo com nossa análise anterior, a resposta à crise internacional de 1974-6 levaram a uma implementação contínua de rotinas anteriores, talvez até - em alguns casos - implementadas mais generosamente do que antes. Assim, nós realmente não vemos decepções durante aquela crise. Somente quando começa o período “atrapalhado”, ou seja, durante o período de fraca retomada internacional, e ainda durante a segunda recessão (1980-82), podemos traçar as decepções.

3.1. Experiência geral

Vamos nos referir apenas à Tabela 1, que cita os seguintes problemas: inflação alta (às vezes até alta em um sentido relativo), déficits em conta corrente, perda de participação de mercado, crise de lucratividade, alta de impostos, déficits públicos e crescimento hesitante do PIB.

Este período de decepção coincidiu com um novo conjunto de pressões externas, devido à desaceleração da economia internacional, após o choque do petróleo da OPEP II: a reavaliação do dólar e o aumento das taxas de juros internacionais, com o petróleo em mais elevado nível de preços e penetração nos mercados nórdicos por produtos manufaturados baratos dos países de industrialização recente e do Japão.

3.2. Registro comparativo

O registro acima se encaixa melhor na Suécia.

Os governos suecos não-socialistas se atrapalharam em 1979-82. Uma desvalorização foi conduzida em 1981. Políticas fiscais (incluindo políticas ambiciosas no mercado de trabalho e políticas industriais defensivas) eram muito expansivas. O pleno emprego estava intacto, mas a situação da Suécia era bastante difícil. O modelo antigo foi acusado de criar inflação e grandes déficits em conta corrente. O sistema de formação salarial centralizado foi acusado de criar a crise de custos de meados da década de 1970 e salários muito elevados nos setores expostos ao longo-prazo. A meta de pleno emprego, no entanto, não era criticada.

Na Noruega, a confusão trabalhista (1979-81) representou uma tentativa de ajustar o modelo de política econômica da idade de ouro sob novas e desconhecidas condições externas e internas. Certos dilemas regulatórios (no setor habitacional) eram exclusivos da Noruega, mas outros (mercados de crédito cinza) foram semelhantes aos problemas ocorridos na Dinamarca, Finlândia e Suécia. Os efeitos políticos desses problemas levam a uma vitória não-socialista nas eleições de 1981.

Nas décadas de 1950 e 60, o modelo da idade de ouro da Finlândia foi orientado para o crescimento do corporativismo sem ambições de estabilização, permitindo ciclos de desvalorização. O início dos anos 1970 foi um período de transição, que ainda incluía elementos do ciclo de desvalorização. A crise econômica do início dos anos 1970 foi um catalisador para políticas econômicas mais consensuais.

Além da decepção inicial em 1977 (alto desemprego), a Finlândia realmente não experimentou qualquer decepção. O modelo finlandês neste período era relativamente expansivo. As rotinas que surgiram na Finlândia desde o final da década de 1970 foram mantidas até o final da década de 1980, tornando a década de 1980 uma idade de ouro da Finlândia. A Finlândia não teve nenhuma séria crise em sua conta corrente. A Finlândia continuou no caminho expansivo em 1983, e não houve grandes mudanças no governo.

Os dois países restantes tiveram alguns problemas próprios: na Dinamarca houve um sentimento geral de crise e desastre em 1979-82. O desempenho foi fraco na maioria dos indicadores macroeconômicos importantes. Apesar da estratégia de desvalorização desde 1979 (curta tentativa de se comportar como os outros países nórdicos), a Dinamarca experimentou o mais rápido aumento do desemprego visto desde a guerra. As desvalorizações da moeda encontraram crescente ceticismo dado que aumentaram as expectativas de inflação, levando à altas taxas de juros.

Em 1982 - o pior ano - a situação era tal que demandava políticas monetárias e fiscais restritivas. Não havia mais espaço para desvalorizações, e as políticas de renda só funcionariam no longo prazo. Os orçamentos públicos tinham que ser apertados fortemente e o trabalhismo não pôde fazer isso. Incapaz de enfrentar o desafio, o governo renunciou. A aliança trabalhistas/liberais radicais foi dissolvida. Eram exigidas medidas mais duras para reduzir o crescente déficit orçamentário, a escalada da dívida nacional, etc.

O modelo de política econômica da Islândia envolveu políticas muito expansivas, criando instabilidade. Isso está de acordo com a generalização de que a economia islandesa tem as maiores oscilações da região. Muitas das novidades introduzidas nas políticas econômicas eram contraditórias. Nenhuma estratégia eficaz foi planejada para enfrentar o desafio de reduzir as fontes domésticas de instabilidade (queda repentina na pesca de peixes capelim, mercados financeiro e de crédito descontrolados). A política fiscal continuou a ser expansiva (até 1982), e ocorreram algumas modificações na indexação dos salários. A expansão do crédito estava totalmente fora de controle (boom de investimento). A Islândia estava dividida entre a necessidade de apertar os gastos devido aos desafios criado pela OPEP II, e a pressão para expandi-los, dada a expansão da pesca em 1980 e 1981 (assim, a Islândia sentiu impulsos positivos, enquanto os outros países enfrentaram deterioração das condições externas).

Em 1982 - quando as condições melhoraram em outros lugares - houve uma queda drástica na pesca, declínio nas exportações e uma forte redução dos lucros no setor pesqueiro, enquanto a taxa de inflação continuou a aumentar. (As taxas de inflação anual estavam em torno de 45 por cento em 1978/9, e 50 por cento em 1980-82.) O procedimento padrão foi seguido: desvalorização do ISK (coroa islandesa) e redução das compensações de preços prometidas aos assalariados. A pressão salarial aumentou.

Por causa de grandes dívidas - dada a redução dos lucros - o setor pesqueiro só poderia tolerar as altas taxas de juros reais se a taxa de câmbio se depreciasse com a queda dos preços de exportação, e as políticas de renda reduziram a espiral doméstica de salários e preços. A inflação subiu para 83 por cento em 1983. O governo cuja base era composta de assalariados naturalmente perdeu as eleições de 1983.

3.3. Respostas

O surgimento de abordagens neoliberais e mais orientadas para o mercado nas políticas econômicas foi um componente principal da resposta aos problemas mencionados acima. A Figura 1 resume os fatores por trás da disseminação de atitudes neoliberais nas políticas econômicas nórdicas.

Nos casos da Noruega e da Islândia, a mudança de paradigma interagiu principalmente com os dilemas que evoluíram durante o período de alta inflação. Na Dinamarca e Suécia, as críticas à expansão do setor público em grande escala foram um fator adicional, refletidas em um setor público maior, nos maiores déficits orçamentários estruturais e impostos mais altos nestes dois países. Na Suécia, finalmente, também a internacionalização de empresas desempenhou seu papel, uma vez que alterou o equilíbrio entre trabalho e capital em desfavor do trabalho.

A Finlândia se destaca por não ter tido uma virada neoliberal significativa neste período. O que quer que houvesse de reorientação profissional entre os economistas finlandeses tinha poucos efeitos práticos, uma vez que não houve forte impacto de dilemas regulatórios nem de expansão do setor público.

Todos os países nórdicos entraram então em um caminho para longe do keynesianismo. A política fiscal anticíclica foi principalmente parte de uma estratégia para estimular o setor aberto (principalmente na Suécia e Dinamarca), e medidas foram tomadas para desarmar políticas monetárias (principalmente na Dinamarca). Na medida em que os países inicialmente keynesianos tinham qualquer inclinação para políticas econômicas geralmente expansivas, isso não foi devido à convicção keynesiana, mas devido a um maior grau de liberdade causado pelos poucos problemas macroeconômicos (principalmente Finlândia e Noruega). A estrada para longe do keynesianismo tornou-se mais óbvia em meados da década de 1980.

Quando o trabalhismo chegou ao poder na Suécia em 1982, o governo lançou a Terceira Via, prometendo transcender o keynesianismo e o monetarismo, permitindo reduzir simultaneamente o componente estrutural do déficit público, reduzir o déficit em conta corrente, elevando investimentos/competitividade e defendendo pleno emprego. A desvalorização de 16% em 1982 foi o principal instrumento da estratégia, juntamente com políticas fiscais rígidas na recuperação dos anos 1980. A Terceira Via não implicou em uma mudança de ênfase nos vários objetivos da política econômica. Foi uma resposta aos problemas citados anteriormente: déficits públicos estruturais, déficits massivos em conta corrente, crise de lucratividade e perdas dramáticas de participação de mercado no final dos anos 1970. Melhorar a competitividade sueca por meio de uma desvalorização foi uma forma de evitar que melhorias em conta corrente - por meio de políticas deflacionárias - levassem ao desemprego. Somente na segunda metade da década de 1980 encontramos uma ruptura marcante com o modelo intervencionista sueco.

Na Noruega, o novo governo conservador (outono de 1981) buscou cortar gastos públicos, reduzir impostos para grupos de alta renda e desregulamentação. Dois anos de políticas rígidas trouxe desemprego mais alto do que em qualquer momento durante os anos 1970. A nova coalizão governamental (Willoch II) em junho de 1983 passou a se preocupar mais com o estado de bem-estar e o destino das áreas rurais, perseguindo políticas mais expansivas. As políticas monetárias da Noruega foram expansivas a partir de 1984. Suécia e Dinamarca tiveram problemas substanciais devidos aos grandes déficits em conta corrente. A Noruega, no entanto, buscou austeridade sem déficit externo.

A desistência do governo trabalhista dinamarquês em 1982 implicou em uma abertura para um breve tratamento de choque Neoliberal. O partido dos liberais radicais (RV — geralmente a força mediadora no Parlamento) trocou de lado para apoiar a ofensiva conservadora de austeridade. Mas depois de um declínio real em gastos públicos em 1983-4, estes voltaram a crescer em termos reais. Os liberais radicais voltaram então para seu papel moderador. Desde 1983, as vantagens de uma nova mistura de políticas de câmbio e salários (moderação alcançada durante o regime trabalhista) puderam ser colhidas, levando a um período de boom.

Na Islândia, um governo mais firmemente neoliberal (variedade neomonetarista) tomou posse após a eleição de meados de 1983. Mas as desvalorizações de 1982-3 foram menos eficazes como instrumentos de política do que antes. A maioria dos ativos financeiros já havia sido indexada. As taxas de juros reais eram altas e positivas, e toda a economia estava fortemente endividada (especialmente o setor pesqueiro, devido aos grandes investimentos em equipamentos congeladores). Embora a Islândia seja a menor e a mais “desviante” dentre as economias escandinavas (com um ciclo econômico fortemente influenciado pelas capturas e preços do setor pesqueiro), aqui ela demonstrou uma posição de vanguarda.

Vamos agora nos voltar para a segunda característica da resposta à primeira decepção, a desregulamentação interna do sistema financeiro. Devemos lidar com três aspectos deste processo: 1. Levantamento de restrições quantitativas (introdução de medidas mais orientadas para o mercado). 2. Mudanças na estrutura do mercado (políticas de concorrência). 3. O fato que havia certos atrasos de ajuste na relação entre mudanças estruturais e mudanças nas políticas monetárias.

A Dinamarca iniciou a desregulamentação interna de seu sistema financeiro já em 1983, enquanto a Finlândia, a Noruega e a Suécia começaram depois. Em todos estes países, a desregulamentação dos mercados financeiros ocorreu gradualmente. O caso finlandês foi extremo, já que a desregulamentação nunca foi analisada seriamente ou mesmo declarada em qualquer documento oficial de propostas políticas. Mas em nenhum dos países ocorreram debates parlamentares intensos quanto a essas questões e o Banco Central teve forte influência sobre os resultados.

Consideremos o levantamento das restrições quantitativas em meados da década de 1980. Primeiro, Finlândia, Islândia, Noruega e Suécia mantiveram os requisitos de reserva primária, mas eles aboliram outros tipos de requisitos de reserva (por exemplo, suplementares). Em segundo lugar, as regras quanto a como os fundos devem ser alocados (por exemplo, compras de obrigações emitidas e garantidas pelo Estado) foram abolidas. Na Suécia, isso aconteceu já no final dos anos 1970, em conexão com os déficits orçamentários. Terceiro, quanto à opção dos bancos de contrair empréstimos no Banco Central (cotas, envolvendo penalidade de juros sobre saques a descoberto), os sistemas existentes foram modificados, sendo menos penalizantes. O caso da Dinamarca é especial, pois só tinha tais restrições desde o problema da piora da conta corrente, no final dos anos 1960. A Dinamarca teve menos barreiras à desregulamentação do que os outros países, cujos sistemas financeiros foram rigidamente regulamentados em todo o período pós-guerra. Na Dinamarca, as restrições quantitativas aos empréstimos bancários, etc., foram desmontadas já em 1980-82.

Um dos motivos por trás da desregulamentação interna era fazer o mercado de capitais funcionar de maneira mais tranquila, dada a situação do início dos anos 1980 com fortes déficits em conta corrente e públicos. (Mesmo na Noruega, sem grandes déficits, foi desregulamentado em meados da década de 1980).

Na Noruega, quase todas as restrições aos empréstimos foram revogadas em janeiro de 1984. Os requisitos de reserva primária e as operações de mercado aberto eram, então, os únicos restantes instrumentos de política de crédito das autoridades. O mesmo acontecia na Suécia em 1985. No caso finlandês, a desregulamentação interna foi completada com a revogação das cotas de empréstimos e das penalidades nas taxas de juros sobre saques descobertos no Banco Central, em 1989. Na Islândia, o controle monetário pelo Banco Central, em meados da década de 1980, seria baseado em regras de política ativa para exigências de reservas e liquidez (que permitiam tributação inflacionária até 1986), penalidades das taxas de juros sobre saques descobertos e diretrizes para bancos comerciais. Algumas mudanças resultaram de alterações nos regulamentos legais. Em 1984, os bancos noruegueses ficaram muito mais livres para estabelecer novas agências e escritórios. Os bancos estrangeiros foram autorizados a entrar mais ou menos ao mesmo tempo.

Finalmente, particularmente na Noruega e na Islândia, houve, além disso, privatizações – ou reorganização – de instituições financeiras anteriormente administradas pelo Estado.

Na Finlândia, o momento da liberalização foi mal concebido. O controle do Banco Central sobre a taxa de juros foi encerrado em 1986, após um forte boom, enquanto na época a maioria dos economistas previa uma desaceleração da economia. Além disso, o cartel de bancos privados de depósitos ainda não havia sido desmontado (semelhante com a Noruega e a Suécia). Isso garantiu um fluxo constante de fundos de depósitos baratos para os bancos no final 1980, embora eles já fossem capazes de canalizar esses fundos para aplicações de alto rendimento e investimentos de risco.

Outro elemento importante de inércia foi a ausência de reformas tributárias no período. Em todos estes países, as principais mudanças no sistema tributário ocorreram apenas no final da década de 1980. Incentivos fiscais, como dedutibilidade fiscal do pagamento de juros hipotecários, ainda eram generosos antes disso. Esses incentivos encorajaram mais endividamento ao levar a impostos negativos conforme as taxas de juros reais.

Este resumo indica que, em questões de desregulamentação financeira interna, a Dinamarca foi pioneira, enquanto a Islândia e a Finlândia ficaram para trás. Este padrão também surge quando consideramos a desregulamentação externa. A Dinamarca fez o movimento para ter uma moeda mais forte já em 1982, muito antes das outras. Para reforçar a credibilidade da abordagem de moeda forte, foi decidido relaxar as restrições restantes sobre fluxos de capital. Em maio de 1983 todas as transações em títulos e ações - dentro e fora do país - foram permitidas e as empresas foram autorizadas incondicionalmente a contrair empréstimos no exterior. As restrições restantes aos residentes comprarem ativos financeiros em outros países foram retiradas em 1 de janeiro de 1984. Liberalizações adicionais das restrições de moeda, em 1 de junho de 1985, implicaram que todos os ativos financeiros negociados nas bolsas de valores foram permitidos.

Ajustes durante a crise do início dos anos 1980 abriram caminho para um período de grande boom em todos estes países. Na metade dos anos 80 houve um grande paradoxo: o mais forte boom de consumo no pós-guerra ocorreu durante uma década de proclamações anti-keynesianas sobre reter o consumo privado e público em favor da poupança privada e do setor exposto. (Nota do Autor: setor exposto é o sujeito a maior competição internacional).

A metade da década de 1980 envolveu vários estímulos externos: a recuperação internacional gerada pelos déficits de Reagan favoreceu imediatamente as indústrias de matérias-primas na Suécia, na Finlândia e na Noruega. A reavaliação do dólar implicou em vantagens para os produtores de madeira nórdicos e para as montadoras suecas competirem com os produtores norte-americanos. Quanto aos produtores cujos produtos eram faturados em dólares (por exemplo celulose e petróleo), o dólar em alta implicava em aumento das margens de lucro. Houve efeitos multiplicadores, tanto instantâneos como posteriores, do boom das exportações. Na Noruega, a produção industrial e as exportações aumentaram, e o aumento das receitas do petróleo antes de 1986 permitiu aos governos conservadores cortar impostos e estimular o mercado de ações.

Quanto à Suécia, o boom das exportações continuou até o final dos anos 1980. O aumento da demanda empurrou os preços para cima, compensando a queda do dólar a partir de 1986. Além disso, o boom de investimentos internacionais beneficiou as indústrias de engenharia suecas. A combinação de alta utilização da capacidade com altos lucros impulsionou a demanda por investimento privado, que também foi estimulada pela desregulamentação dos mercados de crédito.

Ao longo da década de 1980, vários governos islandeses tentaram aplicar o modelo neoliberal. A Islândia experimentou medidas de política econômica muito severas em 1983-4, mas as condições externas só se tornaram favoráveis ​​em 1985-7. Na Islândia, os preços de exportação mais altos e boas capturas de bacalhau estimularam um novo boom de investimentos no endividado setor pesqueiro, apesar das altas taxas de juros. No entanto, antes que qualquer movimento significativo em direção à desregulamentação financeira tivesse sido feito, um novo choque externo desestabilizou o modelo islandês.

Na Noruega, a desregulamentação interna levou a uma explosão de crédito sem precedentes, devida a demanda reprimida por empréstimos, aos empréstimos mais competitivos por parte dos bancos, e alimentada por grandes fluxos de capital a curto prazo em 1982-4. O consumo privado explodiu entre 1984 e 1986. O pleno emprego foi alcançado em 1986, mas com grande déficit em conta corrente e comportamento doméstico insustentável. A poupança das famílias ficou negativa, os preços dos imóveis aumentaram por um fator de 1,5 durante o período 1980-87.

As políticas econômicas suecas tinham mudado desde a década de 1970. Naquela época, geralmente as políticas fiscais expansivas serviriam para tirar a Suécia da crise.Na década de 1980, em contraste, outros instrumentos além do keynesianismo expansivo foram usados para tirar a Suécia da crise. A Suécia teve sucesso durante a segunda metade da década de 1980 em manter o pleno emprego, apesar de menos ênfase nas políticas do mercado de trabalho.

Desregulamentação, juntamente com alto crescimento dos salários reais e aumento do tempo de trabalho tempo (em contraste com a maioria dos outros países da OCDE), estimulou o boom no consumo privado da Suécia na segunda metade da década de 1980. Como consequência, o emprego no setor privado de serviços aumentou sua participação no emprego total. As políticas fiscais não eram restritivas o suficiente para conter as tendências de superaquecimento na década de 1980. Além disso, o setor de exportação ainda floresceu devido a um boom de investimento internacional e efeitos dos termos de troca para as indústrias madeireiras. A Terceira Via se resumiu a uma combinação de políticas de desvalorização e de rendas. Em meados da década de 1980, a Terceira Via sueca foi celebrada como um sucesso.

Quanto à Dinamarca, suas políticas foram particularmente austeras em 1983-4. Então seguiram-se anos de expansão, com alto crescimento do PIB em 1984-6. Apesar do compromisso de moeda forte desde 1982, as políticas monetárias foram relativamente expansivas desde 1983. Exceto isso, todas as políticas eram austeras. A ideia geral era que a redução da inflação levaria ao aumento do emprego no setor privado, um déficit público reduzido e uma conta corrente equilibrada.

O saldo orçamentário dinamarquês tornou-se superavitário em 1986, muito mais rápido do que o esperado. As políticas de renda para os funcionários públicos foram bem-sucedidas e, sobretudo, a pressão tributária foi simplesmente aumentada (contra a promessa do governo). No entanto, o governo não corrigiu o déficit em conta corrente. A demanda do consumidor se adaptou muito mais rápido do que o esperado pela queda das taxas de juros (reais) e o aumento de riqueza pessoal. Houve um boom de crédito semelhante ao de outros países nórdicos, devido à desregulamentação e dessegmentação. Os fundos que retornaram dos mercados financeiros cinzentos estimularam a crescente demanda por crédito. Conforme a demanda interna se acelerou e a taxa de poupança diminuiu em 1985-6, o consumo privado (recuperando-se de uma grande queda no consumo em 1980-82), a produção, o emprego e os preços dos imóveis cresceram. Assim, apesar da retomada internacional e as melhorias dos termos de troca em 1985/6, houve um déficit recorde em conta cambial, com o aumento das importações de bens de consumo. Do lado positivo, isso reduziu um pouco o desemprego. O crescimento do emprego no setor manufatureiro foi alto para os padrões internacionais, os investimentos dispararam e a competitividade (ULC) aumentou em 20%.

4. Segunda decepção — meados da década de 1980

A metade da década de 1980 poderia ser vista como um período de decepção? Ao contrário dos outros dois períodos de decepção (Tabela 1), este foi um período de expansão (como vimos acima), não um período de crise econômica. A decepção do início da década de 1980 veio junto com uma recessão internacional e os problemas do início dos anos 1990 surgiram novamente em uma situação de crise econômica.

4.1. Experiência geral

De acordo com a Tabela 1, os seguintes problemas foram sentidos: alta inflação relativa, aumento das taxas de juros, ganhos de participação de mercado acabam sendo apenas temporários, transferências sociais e impostos elevados e mercados de crédito cinza. (Observe que, a partir desses problemas, quatro de cinco são os mesmos que no primeiro período de decepção.) No final 1985 e 1986 houve a queda do preço do petróleo e o “pouso suave” (desvalorização) do dólar. Quanto às mudanças estruturais, a desregulamentação do crédito internacional e dos mercados de moeda começaram a ser generalizados na Europa Ocidental.

Parece haver duas maneiras pelas quais o desapontamento em meados de 1980 pode ser entendido. Embora tenha sido uma transição gradual, houve uma mudança da versão nacional para a versão normativa do neoliberalismo. Essa mudança foi baseada na percepção de que a forma nacional não funciona mais, e particularmente a nova visão de que as desvalorizações não estimulam a competitividade. O termo ‘política baseada em normas’ indica uma política não complacente, em contraste com a discrição. Em segundo lugar, como já indicamos, em todos estes países, booms de investimento e consumo levaram a problemas de superaquecimento (incluindo problemas regulatórios com o volume de crédito) e problemas relacionados de alcançar a moderação salarial (problemas regulatórios na área das políticas de rendimentos). Foi gradualmente percebido que booms de consumo e inflação de preços dos ativos eram sintomas de uma falha na gestão da política econômica. Os problemas levaram os formuladores de políticas não apenas a perseguir uma linha de moeda forte (ou seja, seguir a Dinamarca, a vanguarda a esse respeito), mas também a implementar reformas tributárias e outras reformas de eficiência de alocação, como veremos mais tarde.

Ao longo da década de 1980, em todos estes países, as bolsas se recuperaram e tiveram crescimento mais importantes do que antes. A liberalização do mercado de ações - interagindo com a desregulamentação do mercado de capitais – envolveu aumento de volumes e preços, maior capacidade de garantir empréstimos bancários com esses títulos, que em parte voltou ao mercado de ações, o que aumentou ainda mais os preços, gerando um desenvolvimento em espiral.

Vemos que no final da desaceleração do início da década de 1980, houve um grande aumento dos preços das ações. Esse boom esmoreceu na época em que os booms de consumo começaram. Na Dinamarca e na Noruega os booms de consumo se encaixaram bem entre os dois booms do mercado de ações, e o segundo boom do mercado de ações do final dos anos 1980 coincide com um endurecimento das políticas. Na Finlândia e na Suécia o boom do mercado de ações do final dos anos 1980 se sobrepõe aos booms de consumo, ou seja, o boom do mercado de ações faz parte de um padrão de expansão geral. Essas nuances em relação ao tempo, no entanto, não perturbam a conclusão geral aqui: consumo sem precedentes e boom de investimentos contribuíram para o superaquecimento de todas as economias nórdicas.

4.2. Registro comparativo

Existem diferenças significativas no desenvolvimento econômico dos países nórdicos na segunda metade da década de 1980. Noruega e Finlândia podem ser vistas como extremos: na Finlândia há uma sensação de bons tempos eternos, pois as estratégias de política econômica não encontraram decepções desde o final dos anos 1970. A Noruega, por outro lado, agora tornou-se vítima de sua dependência do petróleo: a combinação do preço do petróleo/queda do dólar no inverno de 1985/6, reverteu imediatamente as condições externas da economia norueguesa. Ficou claro que o ciclo econômico da Noruega ficou mais influenciado pelo preço do petróleo e a taxa de câmbio do dólar do que pelo ciclo da Europa Ocidental.

Quanto à Finlândia, o período 1979-88 foi a década economicamente mais bem-sucedida na história da Finlândia. Tendo passado levemente pela recessão de 1980-82, a Finlândia foi beneficiada da recuperação da base da OCDE Ocidental em meados da década de 1980. Uma boa dose de sorte ajudou a manter a economia em um caminho de crescimento estável durante quase uma década. Lá não houve grandes disputas sobre políticas econômicas. A inflação caiu gradualmente, o desemprego ficou em 5 por cento e as melhorias nos termos de troca neutralizaram problemas de balanço de pagamentos (apesar do crescimento mais rápido do que da OCDE). As políticas monetárias eram rígidas, as políticas de renda não eram conflitantes e as desvalorizações ausentes. Lá não houve decepção em meados da década de 1980.

A Dinamarca experimentou decepção em 1985/6. O atual déficit em conta corrente explodiu, o crescimento do PIB estagnou enquanto o resto da OCDE europeia cresceu em cerca de 3 por cento. O emprego também estagnou. As empresas dinamarquesas perderam participações de mercado, tanto interno quanto internacional.

4.3. Respostas

De acordo com a Tabela 1, a resposta no final dos anos 1980 consistiu em uma virada de normas políticas, que consistiram em: (a) política de moeda forte, conduzindo finalmente à indexação a Unidade Monetária Europeia; (b) políticas fiscais rígidas para conter a inflação; (c) a prioridade de uma baixa inflação; (d) proibição de empréstimos para financiar déficits do orçamento público; (e) desregulamentação externa. Além disso, a resposta implicou em reformas de eficiência alocativa (impostos marginais, privatização, desregulamentação dos mercados de produtos, cortes do setor público) e ausência de políticas monetárias orientadas para a estabilização (uma vez que a taxa de juros agora suportaria apenas a taxa de câmbio).

Como já observado, a Noruega e a Dinamarca enfrentaram sérios reveses a partir de 1986, enquanto na Finlândia e na Suécia, a recuperação continuou com a escalada do superaquecimento até 1991. Isso também implicava, como veremos, que as respostas da Finlândia e da Suécia foram mais intimamente ligadas à questão da adesão à UE do que no caso da Noruega. Devido à sua dependência da captura de peixes, a Islândia tem sua própria queda, ocorrida entre a da Noruega/Dinamarca (a partir de 1986) e a da Finlândia/Suécia (a partir de 1990).

Essa diversidade de desenvolvimentos no final da década de 1980 se reflete nos indicadores macroeconômicos: superávit na conta corrente da Noruega (e da Dinamarca um pouco mais tarde), enquanto a Finlândia e a Suécia registram déficits crescentes. Finlândia, Islândia e Suécia têm pleno emprego e mercados de trabalho restritos, enquanto a Dinamarca e a Noruega experimentaram um desemprego crescente. Finlândia e Suécia, finalmente, têm alta taxas de crescimento do PIB real, enquanto a Dinamarca, Islândia e Noruega têm taxas relativamente baixas.

Na Finlândia, a moeda estava atrelada a uma cesta a partir de 1987, e mesmo antes, a Finlândia não recorreu às desvalorizações com a mesma frequência que inicialmente. O principal motivo foi reduzir a inflação. Na Suécia, a linha de moeda forte emergiu gradativamente, quando o superaquecimento e a inflação acima da média tornaram-se evidentes. A política de moeda forte sinalizou que o governo não iria mais recorrer à desvalorização. O governo trabalhista fez este ajuste muito antes do governo conservador de 1991 torná-lo seu principal motivo de orgulho. A fase final deste ajuste seguiu na medida que esses países - novamente seguindo o movimento prévio da Dinamarca - substituíram o câmbio de cesta pela Unidade Monetária Europeia

A escolha de uma taxa de câmbio fixa pode ser vista como uma forma de sinalizar uma intenção anti-inflacionária em uma situação em que (1) as políticas neoliberais (ajudado pela queda dos preços do petróleo) empurraram a inflação para baixo em todos os lugares (resolvendo alguns dos dilemas regulatórios), mas (2) os países nórdicos – ao contrário do que ocorria antes – experimentaram taxas de inflação acima da média da OCDE. A decisão da moeda forte foi uma tentativa de escapar de um círculo vicioso em que desvalorizações e inflação acima da média alimentaram uma à outra. O caso da Islândia - de forma extrema - destaca o impacto das preocupações do mercado doméstico com a inflação.

O câmbio fixo também teve uma dimensão política externa por meio de sua relação com o projeto da UE. A fixação das taxas de câmbio foi uma tendência em toda Europa Ocidental, estando ligada à tentativa da UE de conseguir colocar o “processo de formação do Estado” nos trilhos. Isso implicava uma taxa de câmbio fixa como preparação para sua União Economica e Monetária. No entanto, a escolha de uma linha de moeda forte ocorreu em 1986-7, numa época em que a nova ofensiva de integração da UE estava apenas começando. Assim, no período 1986-9, temos uma versão baseada em normas do neoliberalismo, em distinção da versão posterior mais europeizada de neoliberalismo

No que se refere à política monetária, a tendência de elevação da taxa de juros continuou. Com o advento de uma linha de moeda forte, subiu a questão sobre a relação entre uma taxa de câmbio e o nível da taxa de juros. Em retrospecto, a maioria dos comentaristas concorda que, durante os anos 1980, uma taxa de juros mais alta era inevitável. A desregulamentação interna - conforme analisado acima - afetou principalmente os arranjos que foram projetados para manter uma baixa taxa de juros.

No entanto, mesmo que a desregulamentação de jure chegue tarde, a interpretação da pressão externa pode apontar para um processo antecipado de desregulamentação de fato. Houve uma tendência rumo a fluxos de capital mais livres antes mesmo da decisão pela moeda forte. As raízes disso remetem às mudanças no sistema financeiro mundial: as ofensivas de desregulamentação no EUA e Reino Unido, o crescimento explosivo dos mercados de euro moedas, a nova revolução das comunicações, e a instabilidade monetária do início dos anos 1970, levando ao colapso do sistema de Bretton Woods, Juntos, esses fatores criaram o que foi apelidado de “capitalismo de cassino".

Em todos os países nórdicos, exceto na Islândia, as empresas locais ficaram cada vez mais internacionalizadas. A necessidade de pagamentos internacionais aumentou e um prolongado processo fragmentado foi iniciado: antes, era difícil para pessoas e empresas obterem uma autorização para negociar em mercados de moeda estrangeira. Agora, as autoridades começaram a conceder um crescente número de exceções a esses regulamentos. Em seguida, seguiu-se um período durante o qual ainda era necessário pedir, mas todos foram concedidos. Então, finalmente, o fluxo de capital tornou-se totalmente livre, primeiro para alguns tipos de empresas. Então, finalmente uma liberalização total.

Outros atores econômicos cruciais, como o Estado e os bancos afetaram o processo aderindo ao movimento. As reformas foram todas da mesma espécie. Não havia plano diretor: além da vontade de facilitar o acesso das empresas ao financiamento no exterior, as autoridades acharam a perspectiva de simplificação atraente, e havia o desejo dos bancos de operar de forma mais independente nos mercados estrangeiros. Provavelmente, redes entre a gestão de grandes empresas, altos funcionários públicos e banqueiros centrais foram influentes, e pode haver paradigmas específicos para a compreensão dos mecanismos socioeconômicos. Assim, neste contexto específico, essas redes e entendimentos compartilhados podem ter reforçado uma conexão entre a linha de moeda forte e os fluxos de capital livres.

O resultado final foi que, em uma extensão muito maior do que antes, as economias nórdicas foram agora integradas a um sistema financeiro internacional e, consequentemente, suas políticas cambiais tornaram-se mais vulneráveis aos movimentos de capitais realizados por especuladores.

No período 1986-90, a Noruega e a Dinamarca seguiram em direção à austeridade, Islândia mudou de políticas econômicas expansionistas para extremamente rígidas, enquanto a Finlândia e a Suécia não conduziram políticas econômicas rígidas o suficiente para conter o superaquecimento de suas economias.

Como já observado, a Noruega e a Dinamarca tiveram quedas relacionadas a fatores que as diferenciam das principais tendências da economia mundial. Como consequência do choque reverso do preço do petróleo, o déficit em conta corrente da Noruega permaneceu em cerca de 5 por cento do PNB em 1986-88.

As condições internas eram difíceis na Noruega. Os efeitos do superaquecimento ainda eram sentidos, especialmente no mercado de trabalho que permaneceu bastante apertado. A desvalorização foi decidida perto do pico do ciclo econômico, então a utilização da capacidade era alta, e não havia muitos recursos para puxar para setores expostos. A inflação em 1986 e 1987 provou ser muito mais alta do que a média da OCDE. Como os efeitos das mudanças de política gradualmente se espalharam pelo sistema econômico, uma recessão total seguiu em 1988. Naquele tempo, a crise bancária também eclodiu.

A “operação virada” da Noruega pode ser comparada com a “cura de batata” da Dinamarca. Ambos envolveram um compromisso em moeda forte, políticas fiscais mais rígidas e reforma do sistema de imposto de renda pessoal. As políticas monetárias foram rígidas, mas na Dinamarca foi mais orientada para o mercado do que na Noruega. A Noruega teve intervenção direta nas políticas de renda, enquanto na Dinamarca, não havia nada disso. As políticas de renda dinamarquesas de 1987 acabaram sendo relativamente generosas, pois a “cura” já tinha alterado o comportamento que gerou o boom de consumo. Na Noruega e na Dinamarca, o estado de bem-estar ainda era defendido. Na Dinamarca, não houve deterioração dos benefícios do estado de bem-estar social neste período. Após alguns pequenos cortes nos benefícios em 1983/85, houve pouca mudança, exceto para algumas pequenas melhorias.

Houve uma recuperação econômica mundial geral durante este período: a demanda internacional estava crescendo, com efeitos favoráveis ​​para os setores de exportação nórdicos tradicionais. Os preços do óleo também aumentaram no final da década de 1980, com efeitos positivos na Noruega e na Dinamarca. O saldo externo da Noruega melhorou para um equilíbrio aproximado em 1989. Assim, o governo embarcou em políticas fiscais mais expansionistas no final de 1989, tentando conter o crescimento do desemprego.

Na Finlândia, a situação permaneceu idílica. Após a reavaliação do FMI em março de 1989, a Finlândia ultrapassou a Noruega e a Suécia em termos de renda per capita! Mas os problemas estavam se acumulando. O superaquecimento foi indicado pela propensão de poupança familiar, que caiu para 1 a 3 por cento nos anos 1988-89. O atual déficit em conta foi de cerca de 5 por cento do PIB nos anos 1989-1991, como um legado do superaquecimento. Talvez o indicador mais revelador seja o crescimento anual dos empréstimos bancários em carteira (nominal), que chegou a 30 por cento apenas no ano de 1988 - um símbolo de superaquecimento e da bolha impulsionada pelo crédito. Tendo escapado da instabilidade econômica desde o final da década de 1970, a Finlândia estava pronta para uma decepção mais severa.

A Suécia teve um forte superaquecimento em 1989 e 1990. No pico - primeira metade de 1990 - o governo trabalhista sueco começou a se preocupar com o aumento dos custos salariais, perda de participação no mercado, alta inflação (espiral de salários/preços, altas taxas de utilização da capacidade) e um diferencial de taxa de juros indicando expectativas de mais uma desvalorização sueca. Incentivos fiscais foram usados ​​para aumentar a competitividade sueca. Os impostos sobre o lucro nominal foram reduzidos de 52 para 30 por cento (o nível geral de impostos), claramente abaixo da média da OCDE. Este movimento foi justificado com referência à eficiência e justiça. Desregulamentações e cortes de impostos sobre o trabalho e lucros junto com cortes de transferências públicas foram as características mais marcantes da nova política. Além disso, políticas de taxas de câmbio baseadas em normas foram introduzidas gradualmente, a partir de 1985-6. Nas políticas fiscais, havia ambições anticíclicas sobre como evitar o superaquecimento.

Não apenas a Suécia e a Finlândia, mas também a Islândia, experimentaram uma recuperação a partir de 1986. Em 1985, tornou-se geralmente aceito que as desvalorizações criaram grandes dificuldades para o setor pesqueiro, dado o seu endividamento e o novo ambiente dos anos 1980, com elevadas taxas de juros reais. Mas em 1986 e 1987, as exportações de pescado explodiram, devido a termos comerciais favoráveis. Houve concessões destinadas a facilitar uma transição para a linha de moeda forte (1986-88) mencionada acima. Os controles relaxados nos empréstimos privados externos levaram a mais um boom de empréstimos estrangeiros. A dívida externa de longo prazo era, em 1986, cerca de 45 por cento do PIB, excedendo as receitas totais de exportação em quase 18 por cento. O governo se agarrou à sua política de moeda forte, mas uma pequena queda nos preços de exportação produziu fortes reivindicações por uma correspondente desvalorização do ISK. Naturalmente, o governo perdeu as eleições de meados de 1987. O novo governo, no entanto, embarcou em uma linha neoliberal ainda mais firme, mas teve que permitir desvalorizações em fevereiro e maio de 1988. A lei provisória de maio de 1988 previa políticas de rendas extremamente apertadas. Em 1988-9, a conclusão para a Islândia foi: uma falha na implementação de uma política monetária, nova desordem monetária (boom de crédito) e muito pouca desregulamentação.

Um acordo de Reconciliação Nacional (1989) envolveu pequenos aumentos salariais, reduções nas taxas de juros nominais e grandes reduções nos preços agrícolas. Por trás disso estava um novo plano para reorientar a política cambial da Islândia. O programa trouxe para baixo a taxa de inflação do nível de dois dígitos para cerca de 7 por cento em 1990, produzindo uma evolução negativa dos salários reais em 1989.

Os déficits fiscais permaneceram grandes e o peso da dívida tornou-se cada vez mais difícil dadas as baixas taxas de crescimento do início dos anos 1990. Isso demonstra os problemas envolvidos nas políticas econômicas que procuram usar os ajustes da taxa de câmbio como estímulos ao crescimento. Tal política cria a necessidade de ajustes fiscais ainda mais fortes.

Além disso, havia sinais de alerta sobre os estoques pesqueiros. No início de 1988, o governo acreditava que apenas uma parada tradicional de curto prazo nas capturas estava por vir. Ainda assim, políticas econômicas restritivas foram adotadas com vistas à estabilização de longo prazo. As capturas, porém, não se recuperaram. De todo modo, a crescente crise ecológica relacionada aos recursos pesqueiros da Islândia não será discutida aqui.

5. Terceira decepção - início dos anos 1990

Vimos que as estratégias de política econômica orientadas para o mercado foram transformadas de um conjunto de desvalorizações (flutuante) do início dos anos 1980, para um conjunto de mais desregulamentações no final dos anos 1980, uma moeda forte e mais desregulamentações no financiamento externo. Até certo ponto, isso implicava que os outros países seguiram a Dinamarca.

No decorrer da década de 1980, instrumentos que mantiveram o pleno emprego levaram a uma inflação muito alta. O neoliberalismo nacional estimulou (de uma forma bastante keynesiana) a economia via desvalorizações. Para todos, exceto a Dinamarca, o pleno emprego não tinha sido problema na década de 1980. Nesses países, a longa retomada da década de 1980 havia até começado de uma situação de pleno emprego. Agora, havia mais uma situação de stop/go: primeiro combater a inflação e depois voltar à tarefa de garantir o pleno emprego.

5.1. Experiência geral

De acordo com a Tabela 1, permaneceram os seguintes problemas: (i) inflação relativa elevada (exceto para a Dinamarca), principalmente no início do período; (ii) relativamente baixo crescimento da produção; (iii) déficits em conta corrente (exceto na Noruega, e melhorando na Dinamarca); (iv) aumento do desemprego, principalmente na Dinamarca e na Noruega.

Mas o principal componente desta terceira decepção foi que a implementação de políticas baseadas em normas não estabilizou as economias. Taxa de câmbio baseada em normas e políticas monetárias, juntamente com reformas de eficiência alocativa não poderiam impedir a explosão de uma crise econômica. Na verdade, o que se seguiu foi uma crise de magnitude sem precedentes (pelo menos na Finlândia e na Suécia), e marcada por uma característica inteiramente nova, ou seja, a interação entre uma crise real e uma crise financeira (com a Dinamarca e a Islândia como exceções parciais, por razões que apresentaremos a seguir). Esta interação entre crises reais e financeiras foram cruciais para as decepções do início dos anos 1980.

A crise financeira pode ser vista como o fim de uma sequência iniciada na década de 1980: desregulamentação - boom de consumo - inflação de ativos (booms financiados por empréstimos no estoque e no mercado imobiliário) - seguido de recessão geral (principalmente com queda do mercado no setor imobiliário), e uma consequente crise bancária.

A desregulamentação desencadeou uma demanda reprimida por empréstimos. Os bancos, livres da tutela do banco central e desacostumados a operar em um ambiente orientado ao mercado, aumentou seus empréstimos de uma forma bastante arrogante e gerou um boom de especulação e investimentos de qualidade duvidosa a longo prazo. O banco central não conseguiu conter a expansão dos empréstimos bancários e impor controles eficazes sobre a solidez dos empréstimos bancários. Bancos competiram agressivamente por quotas de mercado e estavam prontos a aceitar garantias duvidosas e financiar investimentos especulativos quase totalmente alavancados. O banco central negligenciou a necessidade de controlar as atividades dos bancos. Os interesses bancários foram bem representados em vários órgãos públicos responsáveis ​​pela supervisão financeira, e as autoridades de supervisão não desfrutavam de poderes discricionários suficientemente amplos para se manter bem informadas sobre a expansão de empréstimos, quanto mais para impor sanções eficazes contra eles.

Como o superaquecimento se transformou em crise, a bolha dos preços inflacionados dos ativos estourou, e o endurecimento das políticas econômicas na crise deu início a um círculo vicioso. Deflação geral garantiria que a competitividade seria mantida no período posterior ao superaquecimento. A deflação implicou numa tentativa de reduzir todos os preços nominais (salários em particular), de modo que o nível de preços fosse reduzido em comparação com os principais concorrentes na OCDE (Europa Ocidental em particular). O objetivo era aumentar a competitividade das exportações. Isso sempre é difícil. Mas nesta específica situação histórica, as empresas e famílias tinham dívidas nominais muito elevadas, e era praticamente impossível ajustar tal carga de dívida para baixo. Este é o problema da deflação da dívida, por exemplo: se uma pessoa está altamente endividada por meio de um empréstimo hipotecário, essa dívida não será reduzida, mesmo que seu salário seja reduzido à metade pela deflação. A situação foi ainda pior pelo compromisso de moeda forte que, ao manter a taxa de juros muito alta, aumentou a pressão sobre as empresas e famílias que já estavam na armadilha da dívida.

Quanto à crise da economia real, a desregulamentação interna e externa resultou em enormes aumentos nas taxas de juros, que massacraram grande parte dos negócios do país, aumentando o desemprego. Isso aconteceu principalmente na Finlândia e na Suécia. Mas o cenário geral de superaquecimento e inflação de ativos é semelhante, apesar dos diferentes momentos da crise em cada país.

5.2. Registro comparativo

A seguir, fornecemos uma generalização sobre a interação entre as crises reais e financeiras para todos os três países, Finlândia, Noruega e Suécia. Existe um ligeira diferença de tempo, uma vez que a crise norueguesa se desenvolveu antes (de 1988) da sueca e da finlandesa (a partir de 1991).

A difícil situação econômica enfraqueceu os bancos. Altas taxas de juros interagiram com preços de ativos mais baixos (o estouro da bolha) e aumento das perdas de crédito. Vamos começar considerando o comportamento do consumidor. Rendas reais em declínio, uma crescente taxa de juros real, e uma simultânea reforma tributária, forçaram muitas famílias a usar uma maior proporção da renda real do que antes para o serviço das dívidas. Os governos tentaram compensar com vários planos direcionados de alívio de crédito, mas o impacto de tais planos não foi grande.

A maioria das famílias decidiu diminuir seu nível de endividamento, ou pelo menos não aumentar. Como consequência disso, as famílias não quiseram fazer novos investimentos em habitação. A demanda por moradias diminuiu e os preços também. Isso reduziu a riqueza das famílias, deixando-as ainda mais expostas do que antes, ampliando a recessão.

Isso nos leva ao comportamento das empresas: a recessão, junto com outros fatores que deprimem os lucros do setor empresarial, enfraqueceram a demanda e afetaram particularmente o mercado imobiliário e a construção civil. Dificuldades de pagamento e as falências afetaram os bancos diretamente, também levando à redução da demanda e dos preços de propriedade de negócios. Os bancos tiveram que aceitar maiores perdas ou tiveram que retomar imóveis a baixo preço. Os bancos foram forçados a restringir as condições, mesmo para empresas que seriam possivelmente capazes de sobreviver à desaceleração do ciclo econômico (em certa medida, este foi o caso também na Noruega).

No final, as perdas foram transferidas para os bancos. O fundo de segurança acumulado pelos bancos (ou suas organizações) esgotaram-se rapidamente quando os problemas se agravaram. Além disso, a queda da demanda aumentou os problemas para as empresas com um alto índice de endividamento. As pequenas e médias empresas (PMEs) foram atingidas por restrições de crédito e aumento das taxas de juros. Isso também contribuiu para as quedas no mercado de ações e no mercado imobiliário. Mesmo na Noruega, numa situação em que uma verdadeira recuperação havia começado, este mecanismo pode ser encontrado.

Todos os bancos mais importantes estavam perdendo seu capital próprio, trazendo todo o setor financeiro à beira do colapso. Enfrentando o perigo de uma completa quebra nos pagamentos e créditos, os governos não tiveram escolha a não ser resgatar os bancos por meio de grandes injeções de dinheiro.

O resultado foi um envolvimento mais amplo do Estado na economia do que nunca. Por meio do resgate dos bancos, o estado determinou o tamanho da base de capital dos bancos, definindo assim também um limite superior para seus empréstimos. Os Ministros das Finanças - presos em um dilema insolúvel - insistiam com os bancos para que reduzissem as taxas de juros, enquanto isso só poderia acontecer se o Estado lhes concedesse ainda mais apoio, que foi obviamente impossível. O nível da taxa de juros foi mantido alto.

Finalmente, consideremos os dois casos contrastantes, Dinamarca e Islândia. Na Islândia, havia elementos de uma crise: alguns fundos estatais relataram perdas em 1992. Estes créditos foram concedidos com o propósito de reestruturar a agricultura e desenvolver a piscicultura. Muitas empresas e fazendas estavam à beira da falência. Ainda assim, o governo não procedeu ao fechamento de nenhum dos grandes fundos, mas os reorganizou. Por que a crise financeira islandesa não foi tão devastadora quanto as crises em Noruega, Suécia e Finlândia? Tendências como impulsos de crescimento, explosão de crédito e hiper aumentos nos preços dos imóveis estavam lá. Como vimos, houve alguma desregulamentação interna. Houve também fortes pressões de baixa sobre os preços (mais fortes do que em os outros casos). Mas houve diferenças importantes. Primeiro, os créditos ainda eram canalizados principalmente por meio de instituições de crédito. Os bancos controlam apenas cerca de 25% dos créditos. O House Mortgage System cuidava da maior parte dos voláteis créditos imobiliários. Segundo, os bancos islandeses parecem ter tido uma política de baixar contabilmente os créditos perdidos ao longo do tempo em vez de manter esperanças. Em 1985, eles baixaram 1,07 por cento, e em 1990 1,26 por cento, enquanto, por exemplo os bancos suecos deram baixa de 0,24% e 0,71%. Só em 1991, um banco norueguês médio deu baixa de 3,36 por cento, e em média os bancos suecos baixaram 2,22 por cento dos ativos, enquanto os bancos islandeses só precisaram dar baixa em 1,12 por cento. Terceiro, as exigências de reserva na Islândia foram mantidas altas, dez vezes mais altas do que na Suécia, após a desregulamentação das taxas de juros. Isso foi feito apesar dos protestos dos bancos, mas isso pode ter estabilizado a situação econômica. Quarto, a Islândia ainda estava atrás dos outros países nórdicos no que diz respeito à desregulamentação externa, e ainda não havia fluxo livre de capital de curto prazo. Isso pode ter salvado a Islândia de perdas em conexão com as crises internacionais. Muitas empresas e bancos nórdicos tiveram perdas grotescas em transações no exterior, possivelmente devido ao aumento dos riscos nos negócios envolvendo agentes e mercados estrangeiros. Considerando as experiências de outros países nórdicos, alguém poderia questionar se mais desregulamentações e privatizações do setor financeiro foi uma jogada inteligente.

A Dinamarca teve ainda menos crise bancária neste período. Lá também foi uma experiência de inflação de ativos. A bolha no mercado imobiliário da Dinamarca estourou em 1987-88 (praticamente simultâneo com a Noruega), e, juntamente com os desenvolvimentos no mercado de trabalho e a reforma tributária de janeiro de 1987, isso marcou a conclusão da ‘cura da batata’. Conforme observado anteriormente, havia instabilidade para certas instituições (hipotecas e seguro). A dessegmentação dos mercados financeiros estimulou o aumento da concorrência e levou ao alongamento excessivo por parte de certas instituições financeiras, ao tentarem estender suas atividades comprando (com custo elevado) em novos campos. Esses problemas parecem ter atingido o pico em 1989-91. Mas não houve grandes problemas no setor bancário. Na Dinamarca, as falhas financeiras foram mais espalhadas ao longo do tempo do que na Finlândia, Noruega e Suécia, e a base de capital era um pouco mais alta. Assim, os bancos foram capazes de evitar intervenção governamental ao longo do período. A Dinamarca também teve uma explosão anterior, e os valores de títulos e propriedades já haviam despencado no início de 1980. A Dinamarca também tinha requisitos de reserva mais elevados. O racionamento nunca foi tão forte como nos outros países.

Em relação às crises financeiras, a análise comparativa mostra que houve alternativas. A crise financeira não foi um destino inevitável para nenhum país nórdico. O caso da Islândia é particularmente revelador. Aqui, o sistema financeiro original foi organizado da mesma forma que na Finlândia, Noruega e Suécia, e uma vez que a desregulamentação não ocorreu até então, a crise foi evitada. Quanto à Dinamarca: a principal característica foi um ponto de partida diferente, um tipo diferente de organização do sistema financeiro.

5.3. Respostas

Nesta situação, o programa de mercado único da UE emergiu como um sucesso. O impacto desta nova ofensiva de integração da Europa Ocidental na região nórdica diferiu entre os países, pois a Dinamarca era membro da UE, enquanto os outros quatro estavam de fora. Também influenciados pelo recente fim da estrutura de segurança da Guerra Fria, os outros países também começaram a se aproximar da UE. Todos os países da a Associação Europeia de Livre Comércio (European Free Trade Association EFTA) envolveram-se em negociações para estabelecer a AEE, a Área Econômica Europeia (o que lhes daria “filiação” ao mercado único, mas não filiação na união política). Mas, os nórdicos não membros da UE também procederam a candidatar-se à adesão.

O governo trabalhista da Suécia anunciou que se candidataria a adesão à UE. Isso poderia ser interpretado como um movimento para acalmar os mercados de capitais, possivelmente também reduzindo a taxa de juros doméstica. Em outubro de 1990, esta nova atitude em relação à adesão à UE foi confirmada, e um pedido de adesão foi apresentado no verão de 1991, mesmo antes do tratado de Maastricht ter sido assinado em dezembro de 1991.

Um pouco mais tarde, em março de 1992, no auge da crise econômica, a Finlândia candidatou-se à adesão à UE. A decisão foi relacionada aos problemas econômicos e ao enfraquecimento do comunismo soviético no Oriente. A posição da Finlândia, localizada entre os principais países comunistas e os principais países social-democratas influenciou seu clima ideológico de várias maneiras. Quando o experimento soviético perdeu sua atração e a Terceira Via sueca estava em um impasse (também a ser resolvido por sua adesão à UE), a Finlândia também olhou para o oeste, para a UE.

Ao contrário desses dois países, a Noruega se candidatou a adesão em 1972, apenas para experimentar a fama como o primeiro - e até agora único - país candidato cuja adesão foi rejeitada em um referendo. Desde então, a questão da relação com a UE havia sido exilada da política norueguesa. Com o início do processo AEE, esta questão logo voltou ao topo da agenda política. A preparação de um novo pedido demorou mais tempo do que nos países vizinhos. A coalizão governista não socialista (final de 1989) quebrou devido a desentendimentos sobre a questão da CE em 1990. Somente após extensas discussões dentro do partido trabalhista em 1990-92, o pedido foi apresentado em dezembro de 1992.

A Islândia se recusou a negociar a adesão. Apenas o bem pequeno partido trabalhista era a favor da adesão, enquanto conservadores, agrários e esquerdistas socialistas eram contra. O ponto principal era, claro, a expectativa de que a UE não permitiria à Islândia o controle total dos recursos pesqueiros.

Havia, é claro, elementos de vontade política genuína entre os grupos políticos que eram favoráveis à adesão à UE. Mas na Suécia e na Finlândia havia também o desejo que a integração significasse uma saída para os difíceis problemas econômicos. Isto não era apenas uma questão do mercado único europeu, uma vez que o acordo AEE já implicava amplo acesso a esse mercado para a maioria das empresas. Uma vez que as negociações seriam terminadas após a ratificação do tratado de Maastricht, os requerentes tiveram que aceitar seu plano para uma UEM (União Econômica e Monetária), um programa que implicava um sacrifício considerável de autonomia da política econômica.

No entanto, tal sacrifício serviria apenas para reforçar a linha que os três países já haviam embarcado. Embora tenham se ajustado aos desafios desde 1973 com considerável sucesso, a crise do início da década de 1990 foi gravada como uma prova de uma dramática redução de sua autonomia de política econômica. Após as decepções de meados da década de 1980, a política de competitividade foi reformulada, com o Unidade Monetária Europeia (European Currency Unit ECU) como âncora externa. A adesão à UE iria formalizar esta situação, e como membros, os países teriam vozes nas instituições da UE. A antecipação de uma associação mais estreita com a UE (seja através da AEE ou plena adesão) foi usada ​​como argumento para novas desregulamentações.

Foi observado, ironicamente, que após a adesão da Finlândia e da Suécia a partir de 1995 (veja a conclusão abaixo), esses dois novos participantes nórdicos agora tinham termos de adesão mais estritos do que o membro mais velho, Dinamarca.

Vamos agora nos voltar para as políticas econômicas, com foco principalmente nos esforços para combater a crise.

Na Suécia e na Finlândia, os governos tiveram que enfrentar suas piores recessões em décadas, em uma situação em que o intervencionismo (exceto para políticas de mercado de trabalho) foi descartado. Em 1991-2, a abordagem de política baseada em normas reinou.

Os tomadores de decisões finlandeses ficaram genuinamente confusos. Por razões ideológicas, eles eram contra o corporativismo dos anos 1980. Mas a estratégia de deflacionar os salários enquanto a economia está na armadilha da dívida, é impossível. Assim, era impossível descartar totalmente o corporativismo dos anos 1980. O objetivo do governo de manter a inflação baixa exigia políticas de renda corporativas. As necessidades funcionais contradiziam as convicções ideológicas.O principal esforço de política econômica da Finlândia foi aumentar as exportações. A austeridade fiscal levou a diminuição da demanda em 1993-6. A reestruturação econômica foi desigual: as exportações cresceram 9 por cento em 1992, e esta taxa é esperada que continue graças à boa competitividade. Ao mesmo tempo, o setor protegido da economia estava despencando.

Na Suécia, o governo apostou nas reformas estruturais (europeização, redução de impostos sobre lucros) para afetar positivamente os investimentos e o crescimento. Como antes, lá não houve política de crescimento ativa, exceto para investimentos em infraestrutura de telecomunicações e transportes. A Suécia usou um instrumento mais ativo do que o Finlandês: As políticas do mercado de trabalho sobreviveram sob o governo não socialista sueco. Esta é uma razão importante pela qual a taxa de desemprego sueca não aumentou dramaticamente como a finlandesa. Os jovens receberam empregos temporários em cursos técnicos, enquanto as medidas de socorro foram reduzidas um pouco.

Na Suécia, o governo de minoria não socialista, assumiu o cargo a partir do outono 1991. O governo de Bildt implementou uma versão ainda mais forte do modelo de políticas baseadas em normas, apelidada de “O Único Caminho”, em contraste com a “terceira via” trabalhista, obscurecendo assim o fato de que o trabalhismo já havia mudado para uma política baseada em normas.

Houve uma queda acentuada na taxa relativa de inflação da Suécia em 1992, mas também um aumento do desemprego relativo. O crescimento da produtividade na indústria aumentou, em grande parte devido à ampla racionalização. Após um longo período de atraso em relação à OCDE, o crescimento da produtividade industrial na Suécia ultrapassou o crescimento da maior parte dos países da OCDE em 1992-3. A competitividade em termos de custos salariais relativos e a tributação das empresas era satisfatória no final de 1992, o que também foi observado por investidores estrangeiros e multinacionais. No entanto, a política do Único Caminho falhou em sua tarefa principal, ou seja: criar confiança na SEK. A crise cambial de novembro de 1992 terminou no colapso da estratégia de moeda forte.

A norma da moeda forte foi substituída pela norma de política monetária, onde a inflação (e, portanto, uma queda livre do SEK) deve ser evitada. Novos sinais de recuperação favoreceram indústrias de matérias-primas, com poucos efeitos sobre o emprego.

Na Dinamarca, a orientação para a UE aumentou como consequência da antecipação do mercado interno no final dos anos 1980. Houve um aumento da competição industrial da UE e, nesse sentido, de toda a área da OCDE. Enquanto em meados da década de 1980, falou-se sobre a “produtividade em fuga”, o crescimento da produtividade na Dinamarca aumentou desde o final dos anos 1980. O aumento da pressão competitiva tendeu a destruir empresas antigas com mais facilidade do que conduzir a novas atividades.

O modelo dinamarquês atual reconhece que há limites para políticas macro em uma economia internacionalizada. Dentro desses limites, há consenso sobre alguns objetivos: objetivos de bem-estar, objetivos de igualdade e resolução dos problemas de equilíbrio. Como compensação opta por políticas estruturais nas áreas do mercado de trabalho e da indústria.

6. Conclusões

Encontramos três casos de problemas contínuos ao longo dos anos 1980 e início dos anos 1990: Quanto a Noruega, nossa conclusão é que se houve um modelo da Idade de Ouro, não houve qualquer coisa tão estável desde 1973. Houve sequências de hesitações, a estabilidade tem sido apenas setorial. Isso também se aplica à Islândia e à Suécia. A Terceira Via da Suécia foi substituída por política baseada em normas, mas mesmo isso quebrou, durando menos de um ciclo econômico.

Quanto aos modelos de política econômica coerentes, encontramos dois: a Finlândia evitou as primeiras duas decepções, mantendo um conjunto de regimes coerentes através de seu período "escandinavo" do início ao final dos anos 1980. Atualmente, desde o início de crise na Finlândia, apenas um modelo coerente permanece, nomeadamente o dinamarquês. Este cluster de rotinas foi estabelecido em 1982-87 e ainda se mostra razoavelmente coerente. Envolve, no entanto, uma alta taxa de desemprego. Não vamos abordar aqui as discussões de quão alto é o desemprego na Dinamarca. (Tem sido argumentado que não é tão alto. Até recentemente, a Dinamarca não pagava licença de maternidade, além disso, há um grupo de pessoas permanentemente marginalizadas, uma geração perdida por assim dizer, que não deveria mais ser incluída na taxa de desemprego. Além disso, argumenta-se que o sistema de seguro-desemprego da Dinamarca continua entre os mais generosos do mundo).

Vimos que a Dinamarca é o principal país nórdico no último período. Dado que o desemprego atingiu um nível mais alto em todos os países, eles precisam aprender com a Dinamarca a esse respeito também, já que a Dinamarca está na vanguarda em arranjos nos acordos de trabalho.

Ao longo do último período que discutimos, mais dois países nórdicos se juntaram à Dinamarca como membros da UE. As negociações para todos os países candidatos nórdicos começaram em 1993, e o acordo foi alcançado em março de 1994. Referendos ocorreram em 1994: na Finlândia em 16 de outubro, na Suécia em 13 de novembro e na Noruega em 28 de novembro. Todos exceto a Noruega votaram sim à adesão.

Politicamente, a social-democracia voltou em quatro dos cinco países. Quanto ao poder executivo, a Noruega teve um governo de minoria trabalhista desde o final de 1990. Islândia e a Finlândia teve várias coalizões de centro-direita. Dinamarca (1993) e Suécia (1991-4) tinham coalizões não socialistas. Em meados da década de 1990, no entanto, em todos os países, exceto Islândia, o trabalhismo se provou dominante. Na Noruega, o governo Brundtland foi incontestável mesmo depois de perder o referendo da Comunidade Europeia em 1994. Na Dinamarca (1993), Suécia (1994) e Finlândia (1995), os trabalhistas recuperaram o executivo. Nos casos dinamarquês e finlandês, vários governos de coalizão dominados pelos trabalhistas governaram. Como nenhum dos partidos trabalhistas desfrutavam de posições majoritárias no parlamento, os governos suecos e noruegueses eram minoritários.

Nós indicamos vagamente a vinda de uma terceira versão do neoliberalismo, nomeadamente a versão europeizada. A situação atual é, obviamente, ambígua e pode virar para várias direções. Uma direção provável, no entanto, está relacionada ao fato de que agora três dos cinco países tornaram-se membros da UE. Se a ênfase nos critérios de convergência do Instituto Monetário Europeu (IME) continuarem a determinar as políticas econômicas, podemos imaginar tal Neoliberalismo europeu, ou europeizado. A ambiguidade da situação, no entanto, reside no fato de que o próprio projeto da IME da UE encontrou vários contratempos desde o as crises cambiais europeias em 1992 e 1993. (Esta decepção externa foi apenas mencionada brevemente acima, mas é claro que é discutida mais detalhadamente no relatório final). Em qualquer caso, os desenvolvimentos dos meados da década de 1990 merecem a conclusão de que o futuro das políticas econômicas na região nórdica, e possivelmente também dos social-democratas que influenciam essas políticas, dependem fortemente agora do destino dos Projeto da UE.

3 comments on “A virada neoliberal nas políticas econômicas nórdicas das décadas de 1980 e 1990”

Deixe seu comentário. Faça parte do debate