Campos de concentração e trabalhos forçados: explicando a repressão da China aos Uighurs

Há cada vez mais provas dos abusos dos direitos humanos na China em Xinjiang.

Jewher Ilham disse que não tinha notícias de seu pai desde 2017.

Seu pai, Ilham Tohti, é um professor de economia e proeminente intelectual Uighur em Xinjiang, China. Ele dirigia um website, UighurOnline, focado em questões relativas a essa minoria étnica muçulmana.

As autoridades chinesas fecharam repetidamente o site. Jewher diz que a família recebeu ameaças de morte. As autoridades chinesas também desapareceram com seu pai várias vezes antes de detê-lo em 2014 e rapidamente o declararem culpado por acusações de separatismo. Ele foi condenado a prisão perpétua.

Jewher me disse que, no início, porque seu pai era um prisioneiro político, a família podia visitá-lo mês ou outro. Mas depois o governo chinês cortou completamente o acesso.

Jewher está nos Estados Unidos; ela ainda tem sua família ampliada em Xinjiang, a região noroeste da China, onde vive a maioria dos Uighurs. Ela também não fala com eles. “Se eles falarem comigo ou se receberem um telefonema meu, acho que algo nada bom lhes acontecerá”, ela me disse por telefone em julho.

O pai de Jewher foi alvo do governo chinês por sua defesa dos direitos Uighur. Mas, nos últimos anos, o Partido Comunista Chinês deteve arbitrariamente entre 1 milhão e 3 milhões de outros Uighurs nos chamados “centros de reeducação” e os forçou a se submeterem a programas de doutrinação psicológica, como o estudo da propaganda comunista e o agradecimento ao presidente chinês Xi Jinping. As autoridades chinesas também utilizaram de afogamento simulado e outras formas de tortura, incluindo abuso sexual, como parte do processo de doutrinação.

Pesquisadores do Instituto Australiano de Estratégica Política, utilizando imagens de satélite e outras evidências, documentaram mais de 380 centros de reeducação e prisões em Xinjiang, com pelo menos 61 tendo sido expandidos ou atualizados no último ano.

É a maior detenção em massa de um grupo étnico-religioso minoritário desde a Segunda Guerra Mundial.

Os campos de concentração são o exemplo mais extremo das políticas desumanas da China contra os Uighurs, mas toda a população está sujeita a políticas repressivas. A China tem usado de vigilância em massa para transformar Xinjiang em um estado policial high-tech.

Uighurs dentro e fora dos campos são explorados como mão-de-obra barata, forçados a fabricar roupas e outros produtos para venda tanto no país como no exterior. O New York Times revelou em julho que algumas máscaras feitas na China, sendo vendidas nos Estados Unidos e em outros países, eram produzidas em fábricas que dependiam da mão-de-obra Uighur.

Outra investigação recente encontrou evidências de que as autoridades chinesas submeteram as mulheres Uighur à esterilização em massa, forçando-as a tomar anticoncepcionais ou a fazer abortos e as colocando em acampamentos se resistissem. Alguns argumentam que esta tentativa de controlar a população uigure atende à definição de genocídio das Nações Unidas.

O governo chinês, no entanto, alega que os campos são meramente vocacionais e centros de treinamento, e que eles estão ensinando habilidades profissionais às pessoas. Justificou a opressão em Xinjiang como uma tentativa de reprimir o terrorismo e o extremismo que emana do movimento separatista Uighur.

Ocorrem incidentes de agitação violenta ao longo dos anos, incluindo alguns ataques terroristas mortais, e pelo menos um grupo extremista Uighur na região, o Movimento Islâmico do Turquistão Oriental, tem laços com a Al-Qaeda e com o movimento global jihadista. Mas a maioria dos especialistas diz que a repressão e a subjugação de milhões de Uighurs por Pequim é vastamente desproporcional à ameaça terrorista comparativamente menor na região.

A medida que mais e mais relatos das atrocidades que acontecem em Xinjiang são revelados, a comunidade internacional debate qual a forma de punir a China por seus abusos. Os Estados Unidos recentemente impuseram sanções às autoridades chinesas envolvidas na perseguição aos Uighurs e puniram as empresas que – se acredita – dependem do trabalho forçado Uighur.

Defensores e grupos bipartidários de legisladores estão pedindo uma ação mais enérgica e, no início desta semana, a Câmara dos Deputados aprovou por ampla maioria uma lei bipartidária que exige que as empresas provem que os produtos da região de Xinjiang não são feitos com mão-de-obra Uighur sob coerção.

No entanto, a perseguição aos Uighurs continua e sob a vista de todo o mundo.

A própria Jewher é agora uma ativista dos direitos Uighur. Ela nos disse que saber o que está acontecendo com os Uighurs a torna ainda mais determinada em preservar sua cultura, sua história e sua língua. “Não creio que haja outras palavras para esta ação”, disse ela. “Acho que é um genocídio. É genocídio, ponto final”.

Por que a China está atacando a comunidade muçulmana Uighur em Xinjiang

Em Xinjiang vivem cerca de 11 milhões de Uighurs e outras minorias muçulmanas. É uma região autônoma no noroeste da China que faz fronteira com o Cazaquistão, o Quirguistão e a Mongólia. Ela está sob controle chinês desde 1949, quando a República Popular da China foi estabelecida.

Os uigures tem sua própria língua – uma língua túrquica asiática semelhante ao uzbeque – e a maioria pratica uma forma moderada de islamismo sunita. Alguns ativistas, inclusive aqueles que buscam a independência da China, se referem à região como Turquistão Oriental.

Por estar situado ao longo da antiga Rota da Seda, Xinjiang é rica em petróleo e em recursos. À medida que se desenvolveu junto com o resto da China, a região atraiu mais chineses han, uma migração incentivada pelo governo chinês.

Essa mudança demográfica inflamou as tensões étnicas, especialmente dentro de algumas das maiores cidades. Em 2009, por exemplo, eclodiram tumultos em Urumqi, a capital de Xinjiang, depois que os Uighurs protestaram contra seu tratamento pelo governo e pela maioria Han. Cerca de 200 pessoas foram mortas e centenas ficaram feridas durante as manifestações.

O governo chinês culpou os protestos de grupos separatistas violentos, tática que continuaria a utilizar contra os Uigures e outras minorias religiosas e étnicas em toda a China.

O governo chinês justifica sua repressão contra os Uigures e as minorias muçulmanas dizendo que está tentando erradicar o extremismo e os grupos separatistas. Ataques, alguns violentos, por separatistas Uighur ocorreram nos últimos anos, e alguns Uighurs se tornaram combatentes estrangeiros, juntando-se a grupos como o ISIS. Mas há poucas evidências de qualquer movimento separatista coeso – com raízes jihadistas ou não – que possa desafiar o governo chinês, disseram-me alguns especialistas.

Xinjiang é também um importante centro logístico da ambiciosa Iniciativa do Cinturão e Rota de Pequim, um projeto de infra-estrutura de trilhões de dólares ao longo da antiga Rota da Seda destinado a impulsionar a influência econômica e política da China em todo o mundo. A crescente importância de Xinjiang para as aspirações globais da China é uma das principais razões pelas quais Pequim está exercendo seu controle na região.

“Esta região é crítica para o desenvolvimento futuro da China e para a Iniciativa do Cinturão e Rota”, disse-me Dru C. Gladney, professor de antropologia no Pomona College em Claremont, Califórnia, que estuda a região. “Todas essas estradas passam por Xinjiang”.

As políticas de “desextremificação” da China contra os Uighurs

A repressão da China contra os Uighurs foi inicialmente parte de uma política de “desextremificação“. Sob essa política, Pequim impôs restrições draconianas em Xinjiang com a intenção de apagar a identidade religiosa e cultural islâmica dos Uighurs, incluindo a prisão de centenas de milhares de pessoas nos chamados campos de “reeducação”.

A China tem uma história sombria com campos de reeducação, combinando trabalho duro com doutrinação alinhada com o partido. De acordo com pesquisas feitas por Adrian Zenz, um dos principais estudiosos das políticas chinesas em relação aos Uighurs e Pesquisador Sênior em Estudos chineses na Fundação Memorial para as Vítimas do Comunismo, as autoridades chinesas começaram a utilizar campos dedicados em Xinjiang por volta de 2014, na mesma época em que a China culpou de uma série de ataques terroristas os separatistas radicais Uighur.

Em 2016, Xinjiang também recebeu um novo líder: um poderoso chefe do Partido Comunista chamado Chen Quanguo, cujo trabalho anterior era restaurar a ordem e o controle na região do Tibete. Chen tem uma reputação de homem forte e é como um especialista em repressão étnica. Os Estados Unidos aplicaram sanções de direitos humanos a Chen e outros oficiais chineses em Xinjiang no início deste mês.

Chen “é responsável por um sistema que utilizou da tecnologia para deter Uighurs em um ritmo absurdamente rápido – não apenas em Xinjiang, mas também modelos similares de “delegacias de conveniência” foram testados na região do Tibete antes de serem implantadas no contexto de Xinjiang”, disse Olivia Enos, analista sênior de política no Instituto Davis de Segurança Nacional e Política Externa na Fundação Heritage.

Sua mudança para Xinjiang foi acompanhada de crescente e agressiva vigilância em massa e presença policial, incluindo seu sistema de policiamento chamado de “gerenciamento de rede” (grid management). Como informou The Economist, “as autoridades dividem cada cidade em praças, com cerca de 500 pessoas”. Cada praça tem uma delegacia de polícia que mantém o controle dos habitantes. Nas áreas rurais, uma delegacia acompanha cada vila”.

Postos de controle de segurança onde os residentes devem digitalizar seus cartões de identificação foram instalados nas estações de trem e nas estradas de entrada e saída das cidades. As autoridades têm usado a tecnologia de reconhecimento facial para rastrear os movimentos dos residentes. As autoridades chinesas também coletaram amostras de sangue e DNA, na forma de “check-ups” de saúde obrigatórios.

A polícia confisca telefones para baixar as informações neles contidas e também rastreia Uighurs através de seus telefones celulares. A polícia também confiscou passaportes para evitar que os Uighurs viajem para o exterior. Uighurs no exterior dizem que suas famílias são alvo de autoridades chinesas, parte de uma campanha de pressão para evitar que a diáspora fale abertamente sobre os abusos.

Algumas das medidas de “desextremificação” ganharam cobertura da mídia no Ocidente, incluindo uma proibição de certos nomes muçulmanos para bebês e outra de barbas e véus longos. O governo tentou promover a bebida e o fumo porque as pessoas que não bebiam ou fumavam – como os muçulmanos devotos – eram consideradas suspeitas.

Em outubro de 2019, a Radio Free Asia, uma agência de notícias apoiada pelo governo dos EUA, também informou que os homens chineses da etnia Han estavam sendo enviados para “conferir” as mulheres Uighur e às vezes dormiam com elas, incluindo aquelas cujos maridos estavam detidos nos acampamentos. O programa “Pareie-se e Torne-se Família”, como é chamado, foi projetado para “promover a unidade étnica”, explicou um funcionário local.

As autoridades chinesas justificaram estas políticas como sendo necessárias para combater a radicalização religiosa e o extremismo, mas os críticos dizem que elas se destinam explicitamente a restringir as tradições e práticas islâmicas.

O governo chinês está “tentando expurgar características etnonacionais de seu povo”, disse-me James Millward, professor da Universidade de Georgetown, em 2018. “Eles não estão tentando expulsá-los do país; eles estão tentando mantê-los dentro”.

“O objetivo final, a questão final que o Estado chinês está visando, [é eliminar] as práticas culturais e crenças dos grupos muçulmanos”, acrescentou ele.

O que sabemos, e não sabemos, sobre os campos de concentração

Os “campos de reeducação” – ou campos de treinamento, como também são chamados na China – são talvez o pilar mais sinistro desta política de desextrementação. Os especialistas estimam que até 3 milhões de pessoas desapareceram nestes campos em algum momento, com cerca de 1 milhão atualmente estando detidas.

No início, o governo chinês negou até mesmo a existência desses campos. A mídia estatal chinesa rejeitou as reportagens sobre os campos de detenção como “críticas sem fundamento aos direitos humanos da China” pela mídia Ocidental.

Mas desde então a China deixou de fingir que os campos não são reais. Ao invés disso, o governo está tentando pintá-los como legais e inócuos. Em outubro de 2018, as autoridades chinesas efetivamente legalizaram os “campos educacionais” com o objetivo declarado de erradicar o extremismo. Mais tarde naquele mês, um funcionário do governo em Xinjiang – que era ele mesmo uma etnia Uighur – comparou os centros de detenção a “internatos” e seus detentos a “estudantes”.

“Muitos trainees disseram ter sido afetados pelo pensamento extremista e que nunca haviam participado de tais tipos de atividades artísticas e esportivas. Agora eles percebem como a vida pode ser colorida”, disse o governador de Xinjiang Shorat Zakir à Xinhua, a agência de notícias estatal da China.

O que realmente está acontecendo nos campos é difícil de se saber por causa da campanha de desinformação da China e de uma repressão forte à circulação de informações. Mas documentos oficiais vazados e relatos arrepiantes em primeira mão de pessoas detidas nestes campos têm ajudado especialistas e pesquisadores de fora a elaborarem um retrato perturbador dos abusos que estão acontecendo lá.

Estes campos são muito mais parecidos com prisões do que os chamados internatos. Um relatório de 2018 da Agence France-Presse descreveu acampamentos nos quais milhares de guardas carregam tacos com espigões, gás lacrimogêneo e armas atordoantes para vigiar os detentos, que são mantidos em edifícios cercados por arame farpado e câmeras infravermelhas. Os jornalistas da AFP também analisaram documentos públicos mostrando que as agências governamentais que supervisionam os acampamentos compraram 2.768 bastões de polícia, 550 varas de gado elétricas, 1.367 pares de algemas e 2.792 latas de spray de pimenta.

Uma investigação realizada pela Reuters em 2018 também descobriu que, de acordo com imagens de satélite, 39 locais suspeitos de serem campos de concentração quase triplicaram de tamanho entre abril de 2017 e agosto de 2018. “Coletivamente, as partes construídas nestas 39 instalações agora cobrem uma área do tamanho de 140 campos de futebol”, disse o relatório.

Em 2019, outro conjunto de documentos vazados revelou como os campos são rigorosamente controlados. De acordo com a BBC, os detentos “nunca” tinham permissão para escapar e suas “violações comportamentais” recebiam medidas disciplinares e punições. Os documentos ordenavam a vigilância dos dormitórios e salas de aula. Imagens vazadas feitas por drones, que se acredita terem sido gravadas em agosto passado, parecem mostrar centenas de prisioneiros Uighur, de olhos vendados e algemados, sendo transferidos por trem.

E há evidências de que a China continua a expandir a detenção dos Uighurs, mesmo além dos campos de reeducação. A China tem afirmado desde o ano passado que os detentos se graduaram e foram libertados, reingressando na sociedade porque seu programa de doutrinação funcionou. Em agosto, o Buzzfeed News usou imagens de satélite para documentar as instalações de detenção construídas desde 2017, uma em cada condado de Xinjiang. De acordo com o Buzzfeed, à medida que a China procurava deter as pessoas, eles reestruturaram edifícios governamentais, mas, com o tempo, esses locais se tornaram fortificados e cada vez mais parecidos com prisões.

Um relatório divulgado este mês pelo Instituto Australiano de Estratégicas Políticas (ASPI) também constatou que a rede de centros de detenção da China continua a crescer. O ASPI documentou 380 centros que haviam sido construídos ou expandidos desde 2017, e pelo menos 60 novas instalações foram construídas ou expandidas somente entre julho de 2019 e julho de 2020; cerca da metade são instalações mais fortemente guardadas – prisões de segurança máxima, basicamente. A ASPI também encontrou provas de que alguns dos campos de reeducação anteriores haviam sido desativados. É um sinal de que isto é apenas uma detenção arbitrária, sem sequer ter a pretensa justificativa que a China usava antes.

O governo chinês continua a atacar os Uighurs fora dos campos. Em fevereiro de 2020, uma planilha de 137 páginas vazada do condado de Karakax em Xinjiang mostrou exatamente como as famílias Uighur eram rastreadas pelas autoridades. A planilha continha 300 nomes de famílias Uighur, incluindo as identidades das pessoas detidas nos campos de concentração, e aquelas que as autoridades estavam monitorando. Alguns dos que estavam sendo rastreados tinham apenas 16 anos.

Entre as coisas que chamavam a atenção das autoridades chinesas estava a obtenção de um passaporte (independente se viajaram ou não), rezar regularmente, ou mesmo usar barba, de acordo com o New York Times. Os membros da família eram monitorados ao participar de cerimônias religiosas como funerais ou casamentos. Os uigures também eram enviados aos acampamentos se violassem as restrições de nascimento da China.

Pesquisas adicionais realizadas pela Zenz e a Associated Press em junho de 2020 reforçaram esta descoberta, mostrando que as autoridades chinesas estavam sistematicamente tentando impedir que as mulheres Uighur tivessem filhos sob a ameaça de internação se violassem as regras. De acordo com o relatório:

O Estado submete regularmente mulheres de minorias a controles de gravidez e força o uso de dispositivos intrauterinos, esterilização e até aborto em centenas de milhares, mostram as entrevistas e os dados. Mesmo que o uso de DIUs e esterilização tenha diminuído em todo o país, ele está aumentando acentuadamente em Xinjiang.

A pesquisa apoia relatos de mulheres detidas nos campos, que dizem ter sido forçadas a se submeter a exames e abortos.

Em dezembro de 2017, Gulzira Mogdyn, uma cidadã de 38 anos de etnia cazaque e chinesa, foi detida em Xinjiang e colocada em prisão domiciliar. Ela disse ao Washington Post em outubro de 2019 que, durante sua detenção, ela havia sido forçada a se submeter a um exame físico. Ela estava grávida de 10 semanas; um mês depois, os médicos interromperam sua gravidez contra sua vontade. “Dois humanos se perderam nesta tragédia – meu bebê e eu”, disse Mogdyn ao Post.

Dentro desses campos, os detentos são alegadamente submetidos a exercícios bizarros de “lavagem cerebral”, bem como tortura física, estupro e privação de sono. Millward, o professor da Georgetown, disse que as autoridades chinesas veem os campos como “uma espécie de terapia de conversão, e eles falam sobre isso dessa maneira”.

Uma fonte também disse à Radio Free Asia em 2018 que um funcionário chinês havia se referido ao processo de “reeducação” como semelhante à “pulverização de produtos químicos sobre as plantações. É por isso que se trata de reeducação geral, não limitada a poucas pessoas”.

O Washington Post publicou um relato de Kayrat Samarkand, que foi detido em um dos campos por três meses:

Essa pessoa de 30 anos permaneceu em um dormitório com outros 14 homens. Depois que o quarto era revistado todas as manhãs, o dia começava com duas horas de estudo sobre assuntos que incluiam “o espírito do 19º Congresso do Partido”, onde Xi expôs seu dogma político em um discurso de três horas, e as políticas da China para minorias e religião. Os presos cantavam canções comunistas, cantavam “Vida longa à Xi Jinping” e faziam treinamento no estilo militar à tarde antes de escrever relatos de seu dia, disse ele.

“Aqueles que desobedecessem às regras, se recusassem a ficar de plantão, se envolvessem em brigas ou se atrasassem para os estudos eram algemados nas mãos e tornozelos por até 12 horas”, disse Samarkand ao Washington Post.

Em uma audiência de julho de 2018 da comissão executiva do congresso americano sobre a China – uma comissão bipartidária especial criada pelo Congresso para monitorar os direitos humanos na China – Jessica Batke, uma antiga analista de pesquisa do Departamento de Estado, testemunhou que “em pelo menos algumas dessas instalações, os detentos estão sujeitos a tortura de simulação de afogamento, sendo mantidos em isolamento sem comida e água e sendo impedidos de dormir”.

“Eles são interrogados sobre suas práticas religiosas e sobre ter feito viagens ao exterior”, continuou Batke. “Eles são obrigados a pedir desculpas pelas roupas que usaram ou por rezar no lugar errado e na hora errada”.

O uso crescente de trabalho forçado Uighur

Além dos campos de detenção, há agora provas crescentes de que os Uighurs estão sendo forçados a trabalhar em fábricas chinesas. Dada a onipresença da industria chinesa, isso quase certamente significa que a exploração de Uighurs está embutida nas cadeias de fornecimento globais.

“Está se tornando cada vez mais difícil ignorar o fato de que os produtos fabricados no Turquistão Oriental têm uma alta probabilidade de terem sido produzidos com trabalho forçado”, disse Nury Turkel, presidente da diretoria do Projeto Uyghur de Direitos Humanos, ao Congresso em outubro de 2019, usando “Turquistão Oriental” para se referir a Xinjiang.

O trabalho forçado está acontecendo tanto dentro de Xinjiang quanto em outras partes da China, de acordo com relatórios recentes. Um relatório da Comissão Executiva do Congresso sobre a China, de março de 2020, também encontrou trabalho forçado Uighur ocorrendo dentro de campos de concentração.

De acordo com um relatório do ASPI, pelo menos 80.000 Uighurs foram retirados de Xinjiang e transferidos para várias fábricas ao redor da China entre 2017 e 2019, embora seja provável que essa seja uma estimativa baixa. Alguns Uighurs foram levados diretamente dos campos de concentração para as fábricas, embora as condições nestas fossem praticamente as mesmas daquelas, de acordo com esse mesmo estudo. Os Uighurs estavam sob vigilância constante, obrigados a submeter-se ao ensino da língua mandarim e outros ensinamentos políticos em seu tempo livre. O pior de tudo: eles não podem sair.

Em julho de 2019, a Australian Broadcasting Corporation relatou a história de uma mulher Uighur, Dilnur, de 38 anos, que foi enviada para um campo de concentração junto com seu marido. Em maio, Dilnur havia contatado sua irmã na Austrália para dizer-lhe que ela seria retirada dos campos e enviada para trabalhar em uma fábrica de tecnologia em Urumqi. “660 pessoas foram trazidas algemadas e acorrentadas”, escreveu ela.

Mais uma vez, é difícil obter informações completas do sistema fortemente controlado da China, mas documentos e depoimentos vazados de alguns trabalhadores que foram forçados a entrar nas fábricas oferecem provas convincentes. As revelações levantam sérias questões para a cadeia de fornecimento global e para qualquer um que compre mercadorias que, em algum momento, passaram pela China.

A ASPI descobriu que pelo menos 27 fábricas suspeitas estão utilizando trabalhadores de Xinjiang, que potencialmente têm conexões com 83 grandes marcas globais. A região de Xinjiang, especificamente, é um importante centro de algodão para a  China, o que significa que o algodão de Xinjiang pode acabar nos produtos finais de muitas linhas de vestuário.

O Washington Post e a ASPI descobriram que a empresa sul-coreana Qingdao Taekwang Shoes Co. em Laixi, China, fornecedora da Nike há décadas, emprega cerca de 700 trabalhadores Uighur. Embora não pudessem confirmar que os Uighurs eram obrigados a trabalhar, testemunhas oculares disseram ao Post que os trabalhadores não tinham permissão para sair livremente.

Desde então, a Nike tem dito que está em contato com fornecedores para “avaliar os riscos potenciais” relacionados ao emprego de Uighurs. Outras empresas, como a Apple, disseram que não encontraram nenhuma evidência de trabalho forçado, mas estão monitorando suas fontes.

Outra investigação recente no New York Times descobriu que o trabalho forçado Uighur está sendo usado para fazer equipamentos de proteção pessoal, especificamente aquelas máscaras faciais cirúrgicas descartáveis que são hoje onipresentes por conta do Covid-19.

Em julho, mais de 72 grupos de direitos Uighur e 100 grupos da sociedade civil em todo o mundo lançaram uma campanha para acabar com o trabalho forçado Uighur, exigindo que as empresas deixassem de adquirir algodão, fios, têxteis e produtos acabados de Xinjiang, e que as empresas cortassem os laços com fornecedores implicados em esquemas de trabalho forçado.

O mundo está prestando mais atenção aos Uighurs. Ainda não é suficiente.

Zubayra Shamseden, a coordenadora de divulgação chinesa do Projeto Uyghur de Direitos Humanos, disse-me em julho que Uighurs tem enfrentado discriminação por muitos anos na educação e no emprego. “Isso simplesmente não chamou a atenção do mundo”, disse ela.

As recentes manchetes, incluindo aquelas sobre controle de natalidade e esterilização forçada, ajudaram a mudar isso. Mas qualquer um que realmente tentasse ver o que estava acontecendo em Xinjiang, poderia ver se olhasse, disse ela. “É claro que está lá. É simplesmente cristalino”, disse ela, acrescentando que a China ainda está negando tudo isso.

Que o mundo está finalmente começando a prestar atenção é importante, mas está longe de ser suficiente. Ativistas dizem que governos e instituições internacionais precisam fazer mais para pressionar a China.

Uighurs na diáspora estão pressionando o Tribunal Penal Internacional a investigar a China por genocídio e outras atrocidades. Naomi Kikoler, diretora do Simon-Skjodt Centro para a Prevenção do Genocídio no Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos, disse em março que “há motivos razoáveis para acreditar que a China é responsável por crimes contra a humanidade”. Entretanto, como a China não reconhece a jurisdição do TPI, esse método pode ter seus limites.

Alguns legisladores americanos têm pressionado para que os EUA sejam mais duros com a China na questão Uighur, e o Departamento de Estado tem defendido os Uighurs como parte de suas iniciativas de liberdade religiosa. E a administração Trump está finalmente começando a tomar medidas mais contundentes para punir a China por suas violações dos direitos humanos.

O próprio Presidente Donald Trump estava bastante calado sobre o assunto até recentemente, e parece que seu desejo de negociar um acordo comercial com a China era uma grande razão para isso. “Bem, nós estávamos no meio de um grande acordo comercial”, disse Trump em junho, quando perguntado por que ele ainda não havia imposto sanções do Tesouro americano às autoridades chinesas envolvidas na repressão aos Uighurs.

O ex-conselheiro de segurança nacional da Trump, John Bolton, também alegou que Trump deu pessoalmente a Xi Jinping luz verde para continuar construindo os acampamentos, dizendo a Xi em uma reunião em junho de 2019 que era “exatamente a coisa certa a fazer”. (A reunião contou com a presença apenas dos dois líderes e seus intérpretes, portanto Bolton está confiando no que o intérprete lhe disse após a reunião. Outras autoridades americanas negaram o relato de Bolton).

Em junho, porém, Trump assinou a Lei de Política de Direitos Humanos Uyghur de 2020, que impõe sanções a indivíduos e entidades estrangeiras envolvidas em abusos em Xinjiang e exige que o presidente periodicamente “envie ao Congresso uma lista identificando indivíduos e entidades estrangeiras responsáveis por tais abusos de direitos humanos”.

Desde então, os EUA sancionaram oficiais, incluindo Chen Quanguo, que é o responsável por Xinjiang e o mestre por trás de suas políticas de vigilância. Os EUA também sancionaram o Bureau de Segurança Pública de Xinjiang e seu diretor, Wang Mingshan, sob a Lei Global Magnitsky, que visa os violadores dos direitos humanos em todo o mundo.

As sanções dos EUA enfureceram a China, e Pequim retaliou sancionando oficiais americanos, incluindo o Senador Marco Rubio (R-FL) e o Deputado Chris Smith (R-NJ), que têm sido algumas das vozes mais proeminentes no Congresso na condenação do abuso dos Uighurs por parte da China.

Os EUA também colocaram 11 empresas chinesas na lista negra em julho por causa de seus laços com os abusos dos direitos humanos em Xinjiang, o que significa que essas empresas não podem acessar facilmente a tecnologia ou produtos americanos. Pelo menos nove das empresas tinham vínculos com trabalho forçado Uighur, incluindo algumas mencionadas no relatório da ASPI que estavam ligadas às principais marcas de vestuário. Duas outras foram acrescentadas à lista por causa do uso de “análises genéticas” que visavam grupos minoritários muçulmanos.

No início de setembro, a administração Trump também colocou novas restrições a roupas, tecnologia e produtos capilares de certas empresas ligadas ao trabalho forçado Uighur. Já é ilegal para os americanos importar qualquer mercadoria feita com trabalho forçado, mas a nodulação das cadeias de fornecimento tornou isto mais difícil de detectar. A administração também está considerando uma proibição mais ampla de todas as importações de algodão de Xinjiang.

Mas a abordagem mais dura da administração Trump em relação à China sobre a questão Uighur também vem à medida que a administração tem procurado pressionar cada vez mais a China sobre seu tratamento da pandemia do coronavírus. As tensões entre Washington e Pequim estão aumentando, e o olho por olho está afundando a relação entre as duas superpotências.

“Estou preocupado que mais uma vez os Uighurs não estejam sendo levados a sério, por si mesmos, mas estão sendo usados como uma espécie de peão em uma estratégia geopolítica maior”, disse Gladney, do Colégio Pomona.

A pressão sobre a China por suas violações dos direitos humanos – tanto em Xinjiang como em Hong Kong – deveria ser uma prioridade para qualquer administração dos EUA. “Eu definitivamente acho que há um esforço para apertar a China de qualquer maneira que possa ser feita”, disse Enos sobre os Estados Unidos. “Mas acho que há também este reconhecimento mais amplo de que o que está acontecendo em Xinjiang está definitivamente entre algumas das piores atrocidades aos direitos humanos que estão ocorrendo, certamente nesta década, talvez até mesmo em nossa geração”.

Novos detalhes sobre as atrocidades dentro dos campos acrescentaram ainda mais um senso de urgência – ainda que haja mais a ser feito. Embora Trump tenha confrontado a China (virtualmente) nas Nações Unidas esta semana por vários erros, ele não condenou explicitamente a China por suas atividades em Xinjiang.

Os legisladores bipartidários da Câmara dos Deputados aprovaram esta semana a Lei de Prevenção ao Trabalho Forçado Uyghur, que exigirá que as empresas provem que quaisquer produtos vindos de Xinjiang não envolvem trabalho forçado e compilará uma lista de empresas chinesas que dependem de trabalho forçado. (Ainda precisa passar pelo Senado).

Os senadores também instaram a administração Trump a fazer uma declaração formal de que crimes atrozes estão acontecendo em Xinjiang. Alguns defensores também estão apelando aos consumidores para boicotar produtos que poderiam ter sido feitos com mão-de-obra Uighur.

A pressão econômica – especialmente em forçar grandes corporações a romper os laços com alguns fornecedores chineses – pode ser uma das ferramentas mais eficazes, embora isso também seja cada vez mais desafiador em um mundo que é consumido pela pandemia do coronavírus e por uma catástrofe econômica.

Shamseden do Projeto Uyghur de Direitos Humanos me disse que a própria pandemia é mais um motivo de urgência. Ela viu isso como outra razão potencial para o governo da China intensificar sua repressão, sob o pretexto de quarentena para o Covid-19. “Vai ser outra boa desculpa para simplesmente deter as pessoas arbitrariamente”, disse ela.

Autor: Jen Kirbyjen

Publicado originalmente no dia 25 de setembro de 2020 em:

https://www.vox.com/2020/7/28/21333345/uighurs-china-internment-camps-forced-labor-xinjiang

Assine a newsletter e receba os novos textos que publicarmos aqui por e-mail.