Procure no site:

dezembro 29, 2021

Tradução do texto "We need a new philosophy of progress", publicado originalmente aqui.

.

Vivemos em uma época que perdeu o otimismo. As pesquisas mostram que as pessoas acham que o mundo está piorando, não melhorando. As crianças temem morrer por causa de uma catástrofe ambiental antes de chegarem à velhice. É provável que os tecnólogos sejam informados de que estão arruinando a sociedade tanto quanto a estão melhorando.

Mas não foi sempre assim. Apenas alguns séculos atrás, os pensadores ocidentais foram pegos em uma onda de otimismo em relação à tecnologia, à humanidade e ao futuro, com base na nova filosofia do Iluminismo.

O Iluminismo foi muitas coisas, mas em grande parte, foi uma filosofia do progresso.

No final do século XVIII, o Marquês de Condorcet expressou essa filosofia e seu otimismo em seu "Esboço para um Retrato Histórico do Progresso da Mente Humana". Nele, ele previu um progresso ilimitado, não apenas na ciência e tecnologia, mas na moralidade e na sociedade. Ele escreveu sobre a igualdade das raças e dos sexos e sobre a paz entre as nações.

Seu otimismo era ainda mais notável porque ele escreveu isso enquanto se escondia da Revolução Francesa, que o perseguia para executá-lo como um aristocrata. Infelizmente, ele não pôde se esconder para sempre: foi capturado e logo morreu na prisão. Evidentemente, a perfeição da humanidade demorou a chegar.

O progresso material, no entanto, estava disparando. Após o fim das Guerras Napoleônicas na Europa e, em seguida, a Guerra Civil na América, o caminho estava aberto para a inovação tecnológica e o crescimento econômico: a ferrovia, o telefone, a lâmpada, o motor de combustão interna.

No final do século 19, era óbvio que o mundo havia entrado em uma nova era, e progresso era sua palavra de ordem. O naturalista Alfred Russel Wallace (mais conhecido por seu trabalho sobre a evolução com Darwin) intitulou seu livro sobre os anos 1800 de "O Século Maravilhoso". Nele, ele atribuiu 24 “grandes invenções e descobertas” ao século 19, em comparação com apenas 15 em toda a história humana anterior. O otimismo ilimitado do início do Iluminismo parecia ter sido justificado.

E se o progresso material profetizado por Francis Bacon pudesse ser realizado, talvez o progresso moral profetizado por Condorcet também se concretizasse. No final do século 19, a escravidão havia acabado no Ocidente, e alguns esperavam que o crescimento da indústria e a expansão do comércio levassem ao fim da guerra e a uma nova era de paz mundial.

Eles estavam errados.

O século 20 destruiu violentamente essas ilusões ingênuas. As guerras mundiais foram uma prova devastadora de que o progresso material não leva inevitavelmente ao progresso moral. A tecnologia não pôs fim à guerra - na verdade, tornou a guerra ainda mais terrível e mortal. Em 1945, a bomba nuclear colocou um ponto de exclamação horrível nesta lição: a arma mais destrutiva já inventada foi o produto da ciência, tecnologia e indústria modernas.

Ao mesmo tempo, outras preocupações foram surgindo - incluindo as antigas, como a pobreza, e as novas, como o meio ambiente. Em meados do século 20, a filosofia do progresso enfrentou um sério desafio. O otimismo em sua base foi abalado. Em seu lugar, vimos o surgimento de movimentos sociais radicais baseados em uma profunda desconfiança na tecnologia e na indústria. Hoje, o progresso e o crescimento são chamados de “vício”, “fetiche”, “esquema Ponzi” ou “conto de fadas”. Alguns até defendem um novo ideal de “decrescimento”.

Não é de admirar, então, que os últimos cinquenta anos tenham visto uma estagnação relativa no progresso tecnológico e industrial. A energia nuclear foi atrofiada, o programa Apollo foi cancelado, o Concorde foi aterrado.

Mas agora, no século 21, algumas pessoas estão começando a chamar a atenção para o problema: Peter Thiel, Tyler Cowen, Patrick Collison. Agora existe uma comunidade crescente que reconhece a ameaça da estagnação e o valor do progresso.

A filosofia de progresso do século 19 era ingênua. Mas o afastamento do progresso no século 20 não foi a solução.

Precisamos de uma nova filosofia de progresso para o século 21. Aquele que ensina as pessoas a não considerar o mundo moderno garantido. Aquele que reconhece os problemas do progresso, os confronta diretamente e oferece soluções. E aquele que apresenta uma visão positiva do futuro.

Estabelecer essa nova filosofia é a missão do The Roots of Progress.

Deixe seu comentário. Faça parte do debate