Procure no site:

julho 7, 2021

A desigualdade de renda prejudica o crescimento econômico?

Aumentos generalizados na desigualdade de renda levantaram preocupações sobre seu impacto potencial em nossas sociedades e economias. Uma nova pesquisa da OCDE mostra que, quando a desigualdade de renda aumenta, o crescimento econômico diminui. Um dos motivos é que os membros mais pobres da sociedade têm menos possibilidades de investir em sua educação. Combater a desigualdade pode tornar nossas sociedades mais justas e nossas economias mais fortes.

Um aumento de longo prazo da desigualdade de renda

A diferença entre ricos e pobres está em seu nível mais alto na maioria dos países da OCDE em 30 anos. Hoje, os 10% mais ricos da população na área da OCDE ganham 9,5 vezes mais do que os 10% mais pobres. Em contraste, na década de 1980, a proporção era de 7:1.

Em geral, isso se deveu a ganhos nas rendas médias no topo da distribuição. No entanto, também houve mudanças significativas na outra extremidade da escala. Em muitos países, a renda dos 10% mais pobres dos assalariados cresceu muito mais lentamente durante os anos prósperos e caiu durante as recessões, colocando a pobreza de renda relativa (e em alguns países, absoluta) no radar das preocupações políticas.

Aumentos amplos na desigualdade

O aumento da desigualdade de renda é evidente não apenas em uma lacuna cada vez maior entre os decis de renda superior e inferior, mas também no coeficiente de Gini, uma medida mais ampla de desigualdade (que varia de zero, onde todos têm rendas idênticas, a 1, situação onde toda renda iria para apenas uma pessoa). Nos países da OCDE em meados dos anos 80, a medida Gini era de 0,29; em 2011/12, aumentou 3 pontos, para 0,32.

O coeficiente de Gini aumentou em 16 dos 21 países da OCDE para os quais longas séries temporais estão disponíveis, aumentando em mais de 5 pontos na Finlândia, Israel, Nova Zelândia, Suécia e Estados Unidos e caindo ligeiramente apenas na Grécia e na Turquia (Figura 1).

Nota: os rendimentos referem-se ao rendimento disponível do agregado familiar, ajustado para o tamanho do agregado familiar. Fonte: OECD Income Distribution Database (http://oe.cd/idd).

Como a desigualdade está ligada ao crescimento?

Uma nova análise da OCDE sugere que a desigualdade de renda tem um impacto negativo e estatisticamente significativo no crescimento de médio prazo. O aumento da desigualdade em 3 pontos do Gini, que é o aumento médio registrado na OCDE nas últimas duas décadas, reduziria o crescimento econômico em 0,35 ponto percentual ao ano durante 25 anos: uma perda acumulada no PIB ao final do período de 8,5%.

O que isso pode significar para a trajetória de crescimento de cada país? A Figura 2 indica em quanto a taxa de crescimento do PIB teria aumentado ou diminuído no período 1990-2010 se a desigualdade não tivesse mudado entre 1985 e 2005 (as tendências de desigualdade mais recentes desde então não são levadas em consideração, pois afetam os padrões de crescimento futuro). Essas estimativas são ilustrativas e não devem ser interpretadas como o efeito causal da mudança real na desigualdade em cada país. Eles indicam, no entanto, que o possível impacto da desigualdade pode ser considerável.

Estima-se que o aumento da desigualdade tenha prejudicado, ao longo de duas décadas, mais de 4 pontos percentuais do crescimento, em metade dos países. Por outro lado, a maior igualdade antes da crise ajudou a aumentar o PIB per capita em alguns países, notadamente na Espanha.

Nota: o gráfico mostra as consequências estimadas das mudanças na desigualdade sobre a taxa de crescimento do PIB per capita (em relação à população de 25 a 64 anos) no período 1990-2010. “Real” é a taxa de crescimento real do PIB per capita; o “impacto estimado da desigualdade” é obtido com base nas mudanças observadas na desigualdade nos países da OCDE (em 1985-2005) e no impacto médio da desigualdade no crescimento entre os países estimados na análise; “sem impacto da desigualdade” é a diferença “real - impacto da desigualdade”. Deve ser interpretado como a taxa de crescimento estimada que teria sido observada se a desigualdade não tivesse mudado. O crescimento real na Alemanha é calculado a partir de 1991; as mudanças na desigualdade são limitadas ao período 1985-2000 no caso da Áustria, Bélgica, Espanha e Irlanda. Essas estimativas são ilustrativas e não devem ser interpretadas como o efeito causal da mudança real na desigualdade em cada país.

A renda relativa da classe média baixa é um fator chave

O maior fator para o impacto da desigualdade no crescimento é a lacuna entre as famílias de baixa renda e o resto da população. O efeito negativo não é apenas para o decil de renda mais pobre, mas para todos os que estão nos quatro decis inferiores da distribuição de renda. Essas descobertas implicam que a política não deve (apenas) abordar o combate à pobreza, mas também abordar as rendas mais baixas de forma mais geral.

A redistribuição não impede o crescimento

A ferramenta política mais direta para reduzir a desigualdade é a redistribuição por meio de impostos e benefícios. A análise mostra que a redistribuição por si só não reduz o crescimento econômico. Claro, isso não significa que todas as medidas de redistribuição sejam igualmente boas para o crescimento. Políticas de redistribuição mal direcionadas e não focadas nas ferramentas mais eficazes podem levar ao desperdício de recursos e gerar ineficiências.

Por que a desigualdade reduz o crescimento?

A evidência é fortemente a favor de uma teoria particular de como a desigualdade afeta o crescimento: ao impedir o acúmulo de capital humano, a desigualdade de renda prejudica as oportunidades de educação para indivíduos desfavorecidos, reduzindo a mobilidade social e impedindo o desenvolvimento de habilidades.

Impacto da origem social

A análise elaborada a partir de dados de educação e da recente Pesquisa de Competências de Adultos da OCDE (PIAAC) mostra que o capital humano das pessoas cujos pais têm baixos níveis de educação se deteriora, à medida que a desigualdade de renda aumenta. Em contraste, há pouco ou nenhum efeito para o capital humano de pessoas com nível médio ou alto de formação educacional dos pais. Esses padrões valem tanto para a quantidade de educação (por exemplo, anos de escolaridade) e sua qualidade (por exemplo, proficiência em habilidades). A Figura 3 os ilustra para as pontuações de numeramento: um aumento de 6 pontos na desigualdade de renda (correspondendo ao diferencial EUA-Canadá em 2010) reduziria o numeramento em cerca de 6 pontos entre indivíduos de baixa formação. Isso é quase 40% da diferença em relação a indivíduos com origens parentais médias.

Em suma, a análise sugere que a desigualdade influencia significativamente as oportunidades de educação e mobilidade ascendente de indivíduos desfavorecidos.

Nota: pontuação média prevista para numeramento para indivíduos de baixa, média e alta escolaridade parental (PEB), por nível de desigualdade na época em que tinham cerca de 14 anos de idade. PEB baixo: nenhum dos pais concluiu o ensino médio; PEB médio: pelo menos um dos pais concluiu o ensino médio e pós-secundário, não superior; PEB alto: pelo menos um dos pais atingiu o ensino superior. As linhas representam as probabilidades da linha de base para cada grupo, as barras indicam intervalos de confiança de 95%. Os valores do coeficiente de Gini no eixo X representam percentis da distribuição subjacente nos índices de desigualdade, em particular o 25º (0,257), a mediana (0,287) e o 75º (0,317).

Como a política pública pode responder?

A evidência de que a tendência de aumento da desigualdade de renda reduziu o crescimento em muitos países da OCDE tem consequências políticas significativas. Em particular, desafia a visão de que os formuladores de políticas necessariamente têm que lidar com o trade-off entre promover o crescimento e enfrentar a desigualdade. Embora o trabalho anterior da OCDE tenha mostrado claramente que os benefícios do crescimento não se espalham automaticamente pela sociedade, as novas evidências fecham o círculo ao sugerir que a desigualdade também é importante para o crescimento. As políticas que ajudam a limitar ou reverter a desigualdade podem não apenas tornar as sociedades menos injustas, mas também mais ricas.

Não é apenas a pobreza ou a renda dos 10% mais pobres da população que impede o crescimento. Em vez disso, os formuladores de políticas precisam se preocupar com como os 40% mais pobres se saem em geral. Isso inclui as classes médias baixas vulneráveis ​​que correm o risco de não se beneficiar e contribuir para a recuperação e o crescimento futuro. Os programas de combate à pobreza não serão suficientes. Não apenas as transferências monetárias, mas também o aumento do acesso aos serviços públicos, como educação, treinamento e saúde de alta qualidade, constituem investimento social para criar maior igualdade de oportunidades no longo prazo.

A política pública também precisa enfrentar o legado histórico de subinvestimento pelos grupos de baixa renda na educação formal. As estratégias para fomentar o desenvolvimento de competências devem incluir treinamento e educação profissional aprimorados para os menos qualificados, durante toda sua vida de trabalho.

Traduzido por: Gabriel F. Ferraz

Artigo original:

OECD (2014), "Focus on Inequality and Growth - December 2014”. This document as well as figures and underlying data can be downloaded via www.oecd.org/social/inequality-and-poverty.htm

Link direto para o original aqui.

Deixe seu comentário. Faça parte do debate