Procure no site:

janeiro 2, 2021

Minha vida estranhamente normal em Taiwan em meio à pandemia

Enquanto o mundo colapsa, a vida continua sendo boa na pequena e alegre bolha que é Taiwan.

Eu estava no aeroporto internacional de Hong Kong na manhã em que os EUA relataram seu primeiro caso do vírus em Wuhan, China. Notícias já circulavam sobre essa nova doença mortal em Taiwan, meu ponto de partida, e eu passei aquela escala correndo em busca das provisões necessárias para minimizar o risco em meu voo para Nova York.

As máscaras estavam em falta, mas acabei encontrando um pequeno frasco de desinfetante com um desenho de um cachorro Shiba Inu no rótulo, uma ironia que apreciaria mais tarde. No saguão da companhia aérea, os funcionários rejeitaram minha sugestão de disponibilizar desinfetante para as mãos no balcão para todos os passageiros. Eu sabia que isso mudaria.

No momento em que pousei no aeroporto JFK, as autoridades chinesas haviam fechado Wuhan, admitindo que o vírus era sério e estava se espalhando. No entanto, esse movimento foi tarde demais. Três dias antes, Taiwan já havia estabelecido seu Centro de Comando Central de Epidemias e, três semanas antes, Taipé enviou aquele infame inquérito à Organização Mundial da Saúde pedindo esclarecimentos sobre esta doença semelhante à pneumonia da China. A OMS minimizou o e-mail de Taiwan e repetiu a posição de Pequim de que não havia transmissão de pessoa para pessoa. Mas agora o vírus havia pousado na costa americana e estava se espalhando.

Em fevereiro, enquanto Pequim tentava reescrever a narrativa sobre as origens do vírus, a OMS chamaria a doença de COVID-19, seguindo uma política recente de parar de nomear doenças humanas com lugares ou animais.

Nesse meio-tempo, durante minha viagem em janeiro, as máscaras se esgotaram em Manhattan, embora poucas pudessem ser vistas nos rostos dos nova-iorquinos, uma incongruência explicada pelo fato da diáspora chinesa comprando estoques para enviar de volta à família. Notavelmente, foi apenas na pacata cidade de Woodstock, 100 milhas ao norte, no último fim de semana de janeiro, que encontrei uma loja com uma única caixa de 10 máscaras. Comprei três, não queria ser ganancioso, e achei que seria o suficiente para me levar de volta a Taiwan.

Mas eu não queria voltar. Minha viagem para a sede global da Bloomberg deveria durar apenas 10 dias, e pedi aos meus chefes que me deixassem ficar mais tempo. Gravado na minha memória estava o surto de Síndrome Respiratória Aguda Grave, ou SARS, 17 anos atrás, quando relatei surtos e funerais em Taiwan enquanto as autoridades de saúde se frustravam em seus esforços de contenção da doença. Na minha opinião, Taiwan estava destinada a se tornar novamente um hotspot viral, enquanto Nova York, a 8.000 milhas de distância, certamente seria uma aposta mais segura para se estar.

Dez meses e uma eternidade depois, todos nós sabemos o quanto isso estava errado.

Enquanto cidades como Nova York, Londres e Melbourne foram fechadas, toda Taiwan permaneceu aberta para negócios. Nos últimos meses, participei de festivais de música e maratonas, nadei em piscinas públicas e malhei em ginásios totalmente funcionais, bebi em bares lotados e participei de banquetes. Não um, mas dois desfiles do orgulho gay foram realizados este ano em Taipé, enquanto a mesma festa foi cancelada em quase todas as outras cidades ao redor do mundo.

Para ser franco, a vida em Taiwan este ano tem sido ridiculamente normal.

No fim de semana antes do Natal, os salões do hotel estavam ocupados com casamentos enquanto eu me juntava a amigos em um jantar de ex-alunos que terminou em uma boate lotada onde os foliões dançavam sem máscaras e sorrindo.

Estou escrevendo em um laptop em um café movimentado de Taipé, um entre dezenas que estão indo bem em meio à pandemia. Um grupo de amigos está sentado perto conversando animadamente, o único sinal de uma pandemia são suas golas e punhos – máscaras mantidas em volta do pescoço ou pulso quando não estão cobrindo seus rostos.

Proprietários de bares e restaurantes me disseram que, após um início lento em março e abril, o movimento começou a aumentar durante o verão, com alguns negócios até mesmo registrando uma receita mensal recorde. Os voos para as demais ilhas de Taiwan estavam esgotados no meio do ano e era difícil encontrar acomodação. Operadores turísticos e hotéis cinco estrelas não tiveram tanta sorte, perdendo os viajantes internacionais que sustentam seus negócios.

Os Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020, o Campeonato Mundial de Ironman no Havaí e a famosa Maratona de Boston se somaram a uma longa lista de eventos esportivos globais que foram cancelados. Em contraste, mais de 1.500 triatletas competiram no sul do condado de Pingtung em dezembro e quase 30.000 participaram da maratona da cidade de Taipé.

Enquanto amigos, familiares e colegas em todo o mundo arrancavam seus cabelos com as interrupções escolares que atrapalhavam a educação e a saúde mental das crianças, as aulas de Taiwan continuaram normalmente. Os alunos se formarão no prazo, com festas incríveis.

Eu e outros residentes de Taiwan frequentemente discutimos as emoções confusas de ver o mundo lá fora desmoronar enquanto aproveitamos a vida aqui em nossa pequena bolha. O orgulho é temperado por um sentimento de culpa do sobrevivente, como se esse sucesso fosse nosso feito pessoal quando, na realidade, a coisa mais inteligente que fizemos foi escolher ficar parados.

Menos de 10 vidas foram perdidas em menos de 800 casos. Quase 90% desses pacientes trouxeram o vírus do exterior e foram descobertos por meio de testes na fronteira ou em quarentena.

Embora a economia não esteja imune, o PIB de Taiwan será um dos poucos este ano a apresentar crescimento, esperado em 2,5%.

Quem tem recebido muitos aplausos por isso é a presidente Tsai Ing-wen. Embora merecido, acho que seu ministro da saúde, Chen Shih-chung, é o homem que deveria figurar nas capas das revistas. Durante meses, o dentista de 67 anos liderou entrevistas coletivas diárias detalhando cada novo caso, como ele foi descoberto e o rastreamento de contato que se seguiu.

Sua popularidade cresceu tanto – com um índice de aprovação de 91% - que cidadãos preocupados escreveram cartas pedindo-lhe que fizesse uma pausa para proteger sua saúde. Em um verdadeiro movimento gangsta, ele e sua equipe lideraram uma coletiva de imprensa usando máscaras rosas após relatos de que os alunos homens não estariam usando essa cor por medo de sofrerem bullying. Posteriormente, o rosa se tornou a cor mais descolada a cobrir rostos em todo o país.

O aliado mais popular de Chen na construção de confiança e um senso de comunidade tem sido o "cão-porta-voz" oficial do ministério, um Shiba Inu chamado Zongchai, que muitas vezes agracia postagens de mídia social com lembretes amigáveis ​​para lavar as mãos ou manter o distanciamento social.

Onde Tsai merece crédito é por contar com seu gabinete de especialistas e sair do caminho para que eles possam fazer seu trabalho.

E eles fizeram. Em questão de semanas, a produção de máscaras aumentou a ponto de Taiwan começar a exportar suprimentos excedentes. Cidadãos receberam dicas de higiene, cafés e restaurantes cumprimentaram os hóspedes com termômetros e desinfetantes e as lojas começaram a marcar os andares com réguas de 1 metro e meio para distanciamento social.

Embora as máscaras tenham se tornado obrigatórias no transporte público, os cidadãos mal precisavam ser informados. Enquanto vídeos circulavam de americanos rebeldes recusando a mais básica das precauções sob o pretexto de liberdade, Taiwan balançou a cabeça coletivamente e acenou com o que a verdadeira liberdade parecia: a capacidade de tomar uma bebida em um bar sem medo de pegar uma doença mortal pelo ar.

Todos em Taiwan entendem que esse privilégio foi conquistado por meio de ações rápidas e drásticas.

Tal é o senso de dever e camaradagem que, quando uma única transmissão local foi anunciada esta semana, encerrando a mais longa sequência livre de infecções do mundo (253 dias), a sociedade reagiu em massa como se uma tragédia nacional tivesse acontecido.

No início, enquanto o mundo perdia tempo com informações incompletas oferecidas por Pequim, Taiwan restringia a entrada de passageiros de Wuhan. Posteriormente, isso foi ampliado para toda a China e, em seguida, para o mundo inteiro.

Hoje, o pequeno grupo que tem permissão para entrar, incluindo cidadãos e residentes permanentes, é obrigado a ficar em quarentena por 14 dias sob a ameaça de pesadas multas e sujeitos a um monitoramento rigoroso.

Mas esse isolamento forçado não impediu que milhares de pessoas voltassem – ganhando o apelido de “refugiados da Covid”.

Enquanto alguns deles foram levados de volta para casa devido à perda de empregos, inúmeros taiwaneses que residem em outros países – muitos com apenas ligações tênues com sua terra natal – consideraram essa pandemia a desculpa perfeita para descobrir um lugar que mal conheciam. Uma vez que os funcionários em todo o mundo mudaram para o regime de trabalho remoto, muitos perceberam que também poderiam mudar para um lugar onde a vida continuasse normal.

Ocorrem eventos semanais focados no tópico de como promover Taiwan como um novo centro de tecnologia e negócios. Os pedidos de visto de trabalho Gold Card para Taiwan – que incluem uma permissão para trabalhar, assistência médica nacional e tratamento fiscal favorável para os chamados "talentos de alto nível" – dispararam.

Mas o mundo também deve entender que a abordagem não tem sido perfeita. A aplicação da quarentena, por exemplo, nem sempre é justa: um trabalhador filipino foi multado em $3.500 dólares por sair de sua sala de quarentena por 8 segundos, enquanto outros foram autorizados a circular mais livremente.

A própria Tsai merece as críticas legítimas que recebeu por permitir que questões políticas, especialmente as relações com os países ocidentais, representassem um risco para a saúde de seus próprios cidadãos. Em agosto, uma delegação dos EUA liderada pelo Secretário de Saúde e Serviços Humanos Alex Azar entrou em Taiwan sem atender aos requisitos de quarentena. Então, um mês depois, mais de 80 pessoas chefiadas pelo presidente do Senado tcheco, Miloš Vystrčil, compareceram a reuniões em Taipé, ao mesmo tempo que tiveram permissão para contornar o confinamento de duas semanas que todos os outros enfrentavam.

É apenas por pura sorte que nem uma única pessoa entre os cerca de 100 furadores de fila carregava o vírus ou o tenha transmitido adiante. Até mesmo seus apoiadores mais leais sabem que ela estaria brincando com o destino se tentasse fazer isso novamente.

Mas destino é do que trata a história de pandemias em Taiwan.

Tudo começou há 17 anos com duras lições da SARS, continuou nos últimos anos com Pequim impedindo a participação de Taipé de organizações internacionais como a OMS, e termina com o governo aprendendo a se defender sozinho no deserto diplomático, onde seus apelos por informações de saúde foram rejeitados.

Com a história de combate a covid de maior sucesso do mundo sendo escrita aqui, todos em Taiwan aprenderam que ser resoluto e independente é a imunização perfeita contra ser ignorado.

Autor: Tim Culpan

Tradução: Lucas Eduardo Barbeiro

Revisão: Fernando Moreno

Publicado originalmente em 23 de dezembro de 2020 em:

https://www.bloomberg.com/opinion/articles/2020-12-23/taiwan-enjoys-an-i-told-you-so-moment-after-tangling-with-china-and-the-who

Se cadastre em nossa newsletter para:

  • Receber os convites para os encontros do grupo nacional e dos grupos locais de sua cidade.
  • Receba os novos textos que publicarmos aqui, assim como os textos do Neoliberal Project.

Juntos podemos barrar os retrocessos populistas, de esquerda e direita, e promover os valores liberais.

Deixe seu comentário. Faça parte do debate