Ver o mundo por olhos neoliberais

Palestrei na Universidade de Brighton como parte de uma série de seminários sobre o neoliberalismo. O termo “neoliberal” é normalmente utilizado num sentido depreciativo, embora eu tenha optado por não o utilizar dessa forma. Fui o único orador da série a falar a favor das ideias neoliberais, e o meu título era “Ver o mundo por olhos neoliberais” (original: “Looking At the World Trough Neo-Liberal Eyes”). Comecei por citar um velho provérbio chinês: “Nunca julgue um homem antes de caminhar uma milha em seus sapatos. Dessa forma, você estará a um quilômetro de distância dele quando expressar suas críticas; e você terá os sapatos dele”. Convidei a plateia para ver rapidamente como o mundo se parece aos olhos neoliberais. Estas foram as observações que fiz.

1. O valor está na mente, não nos objetos.

O valor não é uma propriedade dos objetos ou uma qualidade que eles possuem. Embora falemos de objetos “tendo valor”, queremos dizer que os valorizamos. O valor está na mente da pessoa que contempla o objeto, não no objeto em si. Se o valor residisse em coisas, teoricamente poderia ser medido objetivamente e todos estaríamos de acordo sobre o que era. Não haveria então troca, pois a troca ocorre quando cada pessoa valoriza o que a outra pessoa tem mais do que valoriza o que está a oferecer em troca. Uma troca dá a cada um deles algo que valorizam mais e assim a riqueza é criada pela troca. Quando as pessoas cometem o erro de supor que o valor reside nos objetos, perguntam como chegou lá, e chegam com ideias falaciosas como a teoria do valor do trabalho de Marx. Um objeto pode demandar uma quantidade enorme de trabalho para ser produzido mas, se ninguém o valoriza, não terá qualquer valor.

2. O tempo deve ser levado em conta nas atividades.

O tempo tem de ser levado em conta nas transações econômicas. Eu poderia ler um livro hoje ou lê-lo amanhã. Se escolher lê-lo amanhã, renuncio ao prazer de um dia passado a contemplar a sua sabedoria e a ser estimulado pelos seus conhecimentos. Valorizo menos a atividade se ela estiver no futuro. Se eu adiar a minha gratificação, devo ser compensado por fazê-lo. Há também um elemento de risco, na medida em que, ao se adiar um prazer, as circunstâncias podem torná-lo indisponível no futuro e eu terei perdido ao atrasar o meu gozo. Desta noção de que os prazeres presentes são mais valorizados do que os futuros vêm a ideia dos juros, de ser compensado por ficar sem o prazer presente em troca de receber mais prazer mais tarde. E desta noção surge a noção de investimento, de reservar fundos que poderiam trazer gratificação agora e utilizá-los em vez disso para trazer mais gratificação mais tarde. Esta é a essência do capitalismo, de utilizar fundos como capital, não para trazer gratificação agora, mas para aumentar as recompensas futuras.

3. A imperfeição abunda.

O mundo da atividade humana não é caracterizado por limpeza e perfeição. Não é representado por princípios simples e puros em ação. Pelo contrário, é confuso, e muda de momento para momento. No mundo real não há competição perfeita e não há informação perfeita. As pessoas agem racionalmente às vezes mas não em outros momentos. Por vezes, mudam de opinião e comportam-se de forma diferente. A sociedade não é perfectível, nem a natureza humana. As pessoas são motivadas às vezes por objetivos dignos, e outras vezes mostram traços menos admiráveis. Esta imperfeição deve ser reconhecida e admitida para que possa ser enfrentada, e para que possam ser encontradas formas de minimizar quaisquer efeitos nefastos que possa gerar.

4. Compare o presente com o passado e não com um futuro imaginado e hipotético.

Os economistas a favor do livre mercado tendem a pensar que o presente é melhor do que o passado. As pessoas vivem mais tempo. A expectativa de vida, que foi de cerca de 30 anos durante milénios de existência humana, está agora nos 68, e ainda maior nos países avançados. A morte das mães no parto é uma fracção minúscula do que era há pouco mais de um século, e a mortalidade infantil na infância é mínima em comparação com o que era. As principais doenças foram conquistadas, e menos morrem por desnutrição do que nunca. Menos vidas vivem na subsistência ou abaixo dela, e mais têm acesso a cuidados de saúde e educação do que em épocas anteriores. Por muitas medidas, o presente é melhor do que o passado. Em vez de o comparar com um futuro hipotético de um mundo imaginado, os neoliberais comparam-no com o passado, inspecionam o que o tornou melhor, e tentam fazer mais do que tem funcionado para tornar o futuro ainda melhor.

5. O resultado da interação espontânea é melhor do que um objetivo pré-concebido.

Quando as pessoas fazem escolhas, incluindo as econômicas, o resultado produzido por esses milhões de interações conterá mais informação e permitirá que se atinjam mais objetivos diferentes do que qualquer outro que os planificadores possam imaginar. Os planificadores são poucos e sonham com um futuro que satisfaça os seus próprios objetivos. Aqueles que interagem livremente são muitos, e agem para produzir um futuro que permita que mais dos seus próprios objetivos sejam alcançados. A sociedade espontânea não só resulta de mais mentes e mais informação, como também reage mais rapidamente e é mais rápida em lidar com as crises.

6. Os povos mais pobres tornam-se mais ricos criando riqueza, não a redistribuindo.

A riqueza do mundo não é um fornecimento fixo a ser partilhado de acordo com alguma ideia do que é justo. A riqueza é criada pela troca.  Quando as pessoas trocam o que valorizam menos pelo que valorizam mais, a riqueza é aumentada. A ajuda ao desenvolvimento redistribui um pouco de riqueza, enquanto que o comércio cria uma grande parte dela. Nenhum país pobre se tornou rico através da ajuda, e nenhum o fez sem o comércio. Para ajudar os países mais pobres nesse caminho ascendente, os países mais ricos deveriam abrir os seus mercados e comprar o que produzem.

Nota dos tradutores: Entendemos que isso não quer dizer que a ajuda humanitária é dispensável. Leia nossa posição sobre isso aqui: 11 Mitos sobre filantropia e Ajuda ao Desenvolvimento. Mito 9: O crescimento econômico vai tirar as pessoas da pobreza. Devemos focar nele.

7. A vida antes da revolução industrial estava longe de ser idílica.

Embora alguns conservadores e ambientalistas tenham uma visão cor-de-rosa do passado pré-industrial britânico e elogiem o que chamam de “ritmo natural da vida rural”, a realidade era de abjeta subsistência para a maioria, acompanhada de miséria, doença e morte prematura. A maioria das pessoas trabalhava na terra desde o amanhecer até o anoitecer, fazendo trabalho árduo e vivendo em condições primitivas e imundas. A maioria não tinha nenhum tipo de reservas, motivo pelo qual más colheitas ou invernos rigorosos poderiam trazer a fome. A revolução industrial trouxe um passo em frente no nível de vida. O que agora consideramos como habitação pobre e insalubre foi uma melhoria em relação à sua miséria rural e os salários gradualmente permitiram-lhes pagar roupas decentes, pratos de porcelana e artigos domésticos. A revolução industrial trouxe a produção em massa e itens acessíveis, e criou a riqueza que elevou os padrões de vida.

8. O crescimento econômico é uma coisa boa e não há limites para ele.

O crescimento econômico traz a oportunidade de satisfazer os nossos desejos. Permite-nos pagar pelos cuidados médicos, saneamento básico e pela educação. Financia galerias de arte, bibliotecas e salas de concertos além de atender às nossas necessidades materiais. Embora alguns críticos digam que ficaremos sem recursos, a nossa capacidade de acessar novas fontes deles à medida que a tecnologia avança está aumentando mais rapidamente do que nossa utilização destes. O mesmo se passa com o nosso desenvolvimento de substitutos. A tecnologia também está se tornando mais inteligente, utilizando menos recursos e produzindo mais. O crescimento pode continuar a trazer mais oportunidades e maior segurança a um número cada vez maior de pessoas.

9. A globalização trouxe enormes benefícios a um grande número de pessoas em todo o mundo.

A globalização trouxe para os mercados mundiais milhões de pessoas que antes viviam bastante isoladas em vidas de subsistência. Elas têm conseguido vender a sua mão-de-obra e os seus produtos a compradores distantes e participar no processo de criação de riqueza que eleva as pessoas acima da luta pela sobrevivência e para um mundo de maiores oportunidades. Embora alguns elogiem a compra local, é a compra global que utiliza os recursos de forma eficiente e enriquece mais pessoas. Como Adam Smith disse, poderíamos fazer vinho na Escócia de forma muito dispendiosa, mas se comprarmos vinhos franceses mais baratos, sobra dinheiro para gastar em outras coisas. A globalização tem enriquecido, e continua enriquecendo, o mundo.

10. O mundo não é redutível.

O mundo real é imensamente complexo, sempre em movimento, sempre em mudança. Não pode ser reduzido a algumas equações simples. Quando as pessoas tentam fazer isto, têm de simplificar e, ao fazê-lo, deixam de fora informações essenciais que fazem o mundo funcionar como funciona. Não só é complexo como também inerentemente imprevisível. Fazemos o melhor que podemos com informação limitada, e sempre com o conhecimento de que acontecimentos imprevistos podem alterar os nossos planos e frustrar as nossas intenções com consequências não intencionais. O mundo não é como uma máquina bem alinhada, cujo mecanismo pode ser estudado, mas mais como uma massa confusa de interações cujos resultados são incertos. Felizmente, o mundo é bastante resiliente e geralmente consegue lidar com as loucuras que as pessoas colocam nele.

Autor: Madsen Pirie

Tradução: Gabriel Canaan

Revisão: Fernando Moreno

Publicado originalmente em: https://www.adamsmith.org/blog/thinkpieces/looking-at-the-world-through-neo-liberal-eyes-2

Se cadastre em nossa newsletter para:

  • Receber os convites para os encontros do grupo nacional e dos grupos locais de sua cidade.
  • Receba os novos textos que publicarmos aqui, assim como os textos do Neoliberal Project.

Juntos podemos barrar os retrocessos populistas, de esquerda e direita, e promover os valores liberais.