Procure no site:

setembro 24, 2020

A Covid-19 ensinou às empresas como administrar escritórios remotos. Isso pode transformar os países em desenvolvimento.

O economista Richard Baldwin acha que a Covid-19 poderia inspirar uma mudança global rumo ao trabalho remoto.

Desde que a Vox Media ordenou a seus funcionários que ficassem em casa em 12 de março eu não coloquei mais os pés no escritório. Tenho feito meu trabalho como jornalista de casa, a partir do conforto do meu sofá (ou, melhor dizendo, do desconforto, dada a dor nas minhas costas, causada por ele).

Isto não é incomum. De acordo com o Bureau of Labor Statistics, mais de um terço dos trabalhadores americanos - 35,4% - teletrabalharam em maio, quando o país estava em pleno lockdown. A participação está menor agora que alguns estados estão tentando reabrir, mas, ainda assim, a crise da Covid-19 provocou a maior expansão do teletrabalho da história americana até hoje.

Richard Baldwin, professor de economia no Instituto de Pós-Graduação em Estudos Internacionais e Desenvolvimento em Genebra e editor-chefe do amplamente lido site de pesquisa econômica VoxEU (sem relação com a Vox), acha que este é apenas o início de uma enorme mudança mundial em direção a escritórios remotos que se estenderá por todos os continentes.

Em seu livro The Globotics Upheaval 2019: Globalization, Robotics, and the Future of Work, Baldwin prevê que a "telemigração" se tornará uma grande força econômica no futuro próximo, à medida que os empregadores dos países desenvolvidos ocidentais ricos começarem a exportar tarefas para trabalhadores menos caros no mundo em desenvolvimento, explorando tecnologias como Slack e Zoom. Esta nova onda de globalização não atingirá o trabalho na manufatura, como o "choque da China" dos anos 90 e 00 fez, mas sim os empregos no setor de serviços, que emprega a maioria dos americanos, incluindo a maioria dos americanos com diplomas universitários e pós-graduações. Isto já aconteceu até certo ponto com os call centers no Sul e Sudeste Asiático assumindo as funções de atendimento ao cliente de muitas empresas, mas a mudança que a Baldwin está vislumbrando é muito mais ampla.

Falei com Baldwin através da tecnologia relativamente primitiva dos telefones celulares sobre como funciona essa tele-migração, o que a Covid-19 nos ensinou sobre sua viabilidade e a oportunidade que ela apresenta para os países desenvolvidos. Segue uma transcrição da conversa, editada para manter o texto claro e não muito extenso.

Dylan Matthews:

Seu livro é uma previsão para o futuro, o que implica que existem alguns pré-requisitos que ainda não temos e que permitiriam que a tele-migração se tornasse um fenômeno de massa. Quais são as grandes barreiras neste momento? O que precisa acontecer para que a tele-migração decole da maneira que você descreveu no livro?

Richard Baldwin:

O que era necessário é o que aconteceu nos últimos seis meses, que é um movimento coordenado para o trabalho remoto. (Antes da pandemia) muitas empresas como a American Express, que discuto em meu livro, criaram centros de serviços compartilhados em países como a Argentina ou o Uruguai, onde encontram-se pessoas talentosas e baratas. Os escritórios de advocacia britânicos instalaram centros no Quênia. Eles foram treinados no sistema jurídico britânico. Eles são bons advogados, mas baratos para os padrões de Londres. Então, isso já estava acontecendo.

Mas uma grande barreira era que não havia este empurrão coordenado para o uso de equipes remotas. E assim havia uma inércia nos escritórios. O verdadeiro problema não era tarifas ou algo assim; não era apenas uma coisa. Era toda uma combinação de coisas. Você precisa ter um software colaborativo, e sua equipe precisa saber como utilizá-lo. Você precisa ter conectividade com um laptop e câmeras com zoom instalado, microfones razoavelmente bons, um lugar onde você possa ter uma teleconferência de uma hora sem interrupções contínuas. E depois um lugar para manter os dados seguros, para compartilhar os documentos. E você precisa ter certeza de que todos saibam como isso tudo funciona.

As pessoas têm falado sobre isso desde sempre. Estava em todas as listas de afazeres corporativos, mas estava sempre para o próximo ano. O que fizemos durante a Covid foi superar essa barreira de coordenação. Portanto, agora, basicamente, todos estão online. Houve esta marcha forçada através da transformação digital, o que exigiu uma mudança coordenada na forma como trabalhamos, nossas ferramentas, a forma como armazenamos nossos dados, a forma como colaboramos, nossas expectativas, a forma como os gerentes administram. Tudo isso mudou nos últimos seis meses.

Além disso, toneladas de pessoas foram demitidas ou transferidas para contratos de meio período. Há uma grande diferença entre apenas despedir alguém e despedir e não recontratar ninguém no lugar. Uma vez que a conexão tenha sido rompida, usando a automação de software para substituí-las, ou offshoring, em uma situação em que muitas empresas vão precisar cortar custos – elas têm a desculpa perfeita.

A última coisa sobre a Covid é que ela mudou a proporção do custo dos trabalhadores presenciais em relação ao custo da automação de software ou trabalhadores offshore. Pelo menos durante os próximos dois anos, a maioria das empresas terá pouco espaço de escritório. E assim, o incentivo para offshore agora é muito mais forte do que era antes.

Em última análise, nenhuma destas tecnologias é nova. Tudo isso já existia. Apenas tivemos que aprender a usá-las.

Dylan Matthews

Uma tecnologia específica sobre a qual você fala muito no livro é uma tradução automática que seja "suficientemente boa". Então você tem o exemplo dos advogados britânicos e quenianos – os advogados quenianos provavelmente falam inglês. Não há essa barreira. Que tipo de diferença a tradução automática faz nos casos em que existe atualmente uma barreira linguística?

Richard Baldwin

Ela abre o mercado de trabalho para centenas de milhões de pessoas muito talentosas mas que não falam inglês.

Deixe-me tomar isso menos abstrato em primeiro lugar: O número de pessoas que falam inglês, se você for muito generoso, é cerca de um bilhão de pessoas. Digamos que um oitavo da população mundial. Com a tradução automática, [falantes de] todas as principais línguas do mundo poderão falar com fluência. Isso abre enormemente o pool de talentos. É por isso que eu acho que o tsunami de talentos dos anos 90 e 2000 que veio em mão-de-obra não qualificada para as fábricas agora virá em trabalhadores qualificados e semi-qualificados para os escritórios.

Dylan Matthews

O que você está descrevendo é de certa forma análogo a ondas anteriores de offshoring onde você tivemos a mudança para países onde os custos de mão-de-obra são mais baixos. Mas uma complicação que eu posso ver aqui é que a infraestrutura de Internet, o acesso confiável à banda larga, é significativamente menos confiável e desenvolvido em países como Quênia ou Bangladesh do que nos países desenvolvidos que podem vir a fazer parte deste novo pool global de mão-de-obra.

O que precisa acontecer em termos de infraestrutura para que os países em desenvolvimento tomem essa rota de desenvolvimento e garantam que estes tipos de conexões para a tele-migração sejam confiáveis?

Richard Baldwin

A Índia não costumava ter uma boa conectividade. As principais empresas em Bangalore a criaram de forma privada, originalmente com links via satélite, independente do governo e tinham suas próprias fontes de eletricidade para evitar problemas elétricos. Portanto, eles não estavam lá apenas esperando pela ação do governo. E não há algo como um porto que precise ser construído. As conexões de Internet não são tão caras assim. Mas os governos poderiam conectar esses cabos submarinos, todo esse tipo de coisas para que a conectividade funcione.

Isso não é um pensamento novo na área de desenvolvimento econômico. A UNCTAD (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento) tem toda um material sobre preparação digital, e eles têm uma lista do que os governos deveriam fazer, coisas como esses cabos. Mas eu diria que isso não é uma barreira tão grande quanto possa parecer. Ele se paga por si mesmo, e tudo o que você tem que fazer é obter uma conexão à Internet e começar a vender. Vale a pena quase imediatamente. Conforme vejo, isso não tem sido uma grande prioridade para os governos.

O que é um pouco mais sutil é a questão da qualificação. Por exemplo, como você sabe qual diploma ou certificação como contador no Quênia é equivalente aos EUA ou ao Reino Unido? O governo pode certificar os trabalhadores para torná-los mais atraentes e confiáveis. Para, digamos, contadores públicos certificados, há geralmente três ou quatro níveis diferentes, exames e coisas similares, mas é difícil saber qual é a correspondência entre os países. Portanto, permitir esse tipo de correspondência, penso eu, seria algo que os governos poderiam fazer.

Mas uma das belezas disto para os países em desenvolvimento é que não precisa ser algo feito em grande escala. Para construir uma fábrica de automóveis, é preciso construir a estrada, a ferrovia, os portos e aeroportos para então exportar. Enquanto no Sri Lanka, por exemplo, basicamente todo o pessoal técnico está trabalhando através do Upwork [uma aplicação online onde as pessoas podem contratar freelancers para pequenas tarefas específicas]. E isso é completamente privado. É um cara se cadastrando na Upwork, tendo que pagar pela assinatura do serviço e por uma conexão de internet boa o suficiente. E se um bom número de pessoas contratarem essas conexões de internet, as empresas investirão para ter conexões melhores. Portanto, não é realmente um gargalo tão grande quanto o desenvolvimento industrial.

Dylan Matthews

Digamos que você é um político de um país da África subsaariana – como o presidente queniano Uhuru Kenyatta, por exemplo – e está olhando para isso como um caminho para o desenvolvimento em comparação com o caminho de fabril mais tradicional baseado na exportação que países como a China e a Índia têm seguido. Qual é o argumento usado para investir na infraestrutura e na coordenação para que isto tudo funcione, ao invés de tentar seguir o velho modelo baseado na exportação?

Richard Baldwin

Tenho um trabalho sobre isso com Rikard Forslid. Sugerimos que o modelo chinês baseado na fabricação é incrivelmente difícil de se fazer em primeiro lugar. Há apenas um punhado de países que realmente conseguiram saltar para esta manufatura baseada na exportação, e a maioria deles está muito perto de um dos pólos tecnológicos do mundo e fazem parte de cadeias de valor globais.

Se você desenhar um círculo de 1.000 quilômetros ao redor de Hong Kong, Pequim e Tóquio, algo como 38% da produção mundial está no círculo que se situa nesse triângulo. E se você estiver bem ali, é fácil aderir à “Fábrica da Ásia”. Se você não estiver lá, é bastante difícil. E então você faz outro círculo ao redor de Stuttgart, algo como 1.000 quilômetros ao redor de Stuttgart e outro de 1.000 quilômetros ao redor de Detroit, são outros 20% cada um. Todo o resto dos 20% de manufatura está espalhado por todo o planeta.

Portanto, o que estamos sugerindo é que o desenvolvimento da indústria é realmente muito, muito difícil, porque a geografia realmente importa. Os países da África e da América do Sul que não estão próximos a Stuttgart, Nagoya e Detroit têm realmente muita dificuldade para se juntar a eles. Portanto, o modelo chinês não está realmente aberto para a maioria das pessoas.

Por outro lado, os serviços estão se tornando cada vez mais “negociáveis” por causa da tecnologia digital. E todos os serviços de que falamos não estão tão sujeitos a essas economias possibilitadas pela aglomeração. O setor de serviços não precisa de um grande empurrão para que tudo funcione.

Dylan Matthews

A palavra "agitação" está no título de seu livro, e, sem surpresa, boa parte do livro é sobre o potencial retrocesso nestas grandes transformações sociais que você está prevendo. Isso é particularmente interessante para mim quando vemos este enorme retrocesso contra a imigração normal na Europa e nos Estados Unidos neste momento. Parece que a tele-migração pode acalmar parte disso, mas sua conclusão final é que isso não impede este tipo de crise política. Por que isso acontece?

Richard Baldwin

As pessoas afetadas, muitas delas nunca tiveram qualquer exposição à globalização. Pessoas que estarão competindo na mesma base de salário com estrangeiros nunca tiveram que fazer isso antes. Portanto, acho que essa novidade parecerá um escândalo. É como o que aconteceu no início dos anos 80 com a indústria automobilística americana. As pessoas simplesmente não conseguiam acreditar que o Japão produzia carros melhores e mais baratos que os Estados Unidos.

Há uma surpresa inicial ao descobrir que alguém que vive em um país diferente estará competindo por seu trabalho e que para essa pessoa 5 dólares por hora é uma vida de classe média. Essas pessoas estarão fazendo coisas para seu escritório, seja tradução, edição de cópias ou design gráfico. Você perceberá que essas pessoas não tem o mesmo custo de vida que nos EUA ou na Europa. E elas não são sindicalizadas e não estão pagando muitos impostos, coisas assim. Portanto, isso vai causar alguma reação política.

A segunda questão é que algo em torno de 80% de toda a força de trabalho está nestes empregos que antes estavam imunes a este tipo de concorrência. Portanto, serão muitas pessoas afetadas. Neste momento, nos Estados Unidos, os trabalhadores nas fábrica têm um poder de influência muito grande mas são apenas 8% da força de trabalho. Agora pense se 80% das pessoas começarem a pensar que isto é um grande problema. Isso tomaria uma dimensão completamente diferente.

Autor: Dylan Matthews

Tradução: Fernando Moreno

Publicado originalmente em 21 de setembro de 2020 em: https://www.vox.com/future-perfect/21445830/work-from-home-covid-19-offshoring

Assine a newsletter e receba os novos textos que publicarmos aqui por e-mail.

Deixe seu comentário. Faça parte do debate